Na contramão de especialistas, Bolsonaro ironiza eficácia da Coronavac: "Essa de 50% é uma boa?"

·2 minuto de leitura
Foto: AP Photo/Eraldo Peres
Foto: AP Photo/Eraldo Peres

Na contramão de falas contundentes de especialistas, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ironizou, nesta quarta-feira (13), a eficácia de 50,38% da Coronavac, vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a chinesa Sinovac contra a Covid-19. O imunizante tem sido a bandeira de João Doria (PSDB), governador de São Paulo, inimigo político do presidente.

Apesar de mais uma declaração de cunho negacionista, Bolsonaro reiterou que o governo federal comprará qualquer vacina que tenha o registro aprovado na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que analisará uso da Coronovac no próximo domingo (17). O Ministério de Saúde já assinou um contrato para comprar 46 milhões de doses da vacina do Butantan.

Leia também

Em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, Bolsonaro afirmou que “a verdade” estava aparecendo, mas não deixou claro ao que se referia. Um homem questionou o presidente sobre a importância da vacina contra a Covid-19, que já vitimou mais de 200 mil pessoas no Brasil.

Aos risos, Bolsonaro ironizou: “Essa de 50% é uma boa?". Na sequência, presidente afirmou que está há “quatro meses apanhando por causa da vacina".

"O que eu apanhei por causa disso...Agora estão vendo a verdade. Estou quatro meses apanhando por causa da vacina. Entre eu e a vacina tem a Anvisa. Não sou irresponsável. Não estou a fim de agradar quem quer que seja", disse Bolsonaro ao apoiador.

Mesmo com a ironia do presidente, especialistas vem reiterando a eficácia e a segurança da vacina desenvolvida pelo Butantan.

Ao ouvir de um apoiador que a vacina da AstraZeneca/Oxford [que também será analisado no próximo dia 17] era melhor do que a Coronovac, Bolsonaro respondeu que a melhor é a que “passar pela Anvisa".

"É a vacina que passar pela Anvisa. Seja qual for. Passou por lá...Já assinei um crédito de 20 bilhões (para comprar)", reiterou o presidente.