Bolsonaro liga analfabetismo a vitória de Lula no Nordeste: 'falta de cultura'

Nordeste é a região que mais rejeitou Bolsonaro nas urnas no primeiro turno das eleições - Foto: Pedro Ladeira/Folhapress
Nordeste é a região que mais rejeitou Bolsonaro nas urnas no primeiro turno das eleições - Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

O presidente Jair Bolsonaro (PL) citou nesta quarta-feira (5) o analfabetismo no Nordeste para tentar explicar a derrota sofrida para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na região.

"Lula venceu em 9 dos 10 estados com maior taxa de analfabetismo. Você sabe quais são esses estados? No nosso Nordeste. Não é só taxa de analfabetismo alta ou mais grave nesses estados. Outros dados econômicos agora também são inferiores na região", disse.

O mandatário culpou as gestões petistas na região pelos baixos índices de desenvolvimento.

"Esses estados do Nordeste estão há 20 anos sendo administrados pelo PT. Onde a esquerda entra, leva o analfabetismo, leva a falta de cultura, leva o desemprego, leva a falta de esperança. É assim que age a esquerda no mundo todo", afirmou em transmissão ao vivo nas redes sociais.

O Nordeste foi a região em que os dois principais candidatos tiveram a maior diferença de votos. Lula fez 67%, contra 26,8% de Bolsonaro.

O petista também venceu no Norte, mas no Sul, Sudeste e Centro-Oeste o atual presidente saiu vencedor.

A avaliação da campanha de Bolsonaro é que ele precisa reduzir a diferença para Lula no Nordeste para ter mais chance de ganhar as eleições. Para isso, aliados do presidente já começaram a elaborar materiais voltados exclusivamente à região. O presidente pretende dar mais ênfase às realizações do governo para os nordestinos e acredita que pode melhorar o desempenho nesses estados.

Para isso, o próprio presidente já tentou se descolar dos ataques feitos por alguns de seus apoiadores nas redes sociais ao Nordeste devido à vitória de Lula. Em entrevista na terça-feira (4), Bolsonaro disse que o Brasil é um só e que tentar culpar os nordestinos por não ter vencido o pleito não é correto.

***Por Matheus Teixeira, da Folhapress