Sem provas, Bolsonaro critica Globo por 'pegar mais leve' com Lula no JN

Bolsonaro acusou TV Globo de tratar melhor Lula durante sabatina do petista nesta quinta-feira (25) - Foto: Andressa Anholete/Getty Images
Bolsonaro acusou TV Globo de tratar melhor Lula durante sabatina do petista nesta quinta-feira (25) - Foto: Andressa Anholete/Getty Images

O presidente Jair Bolsonaro usou as redes sociais nesta sexta-feira (26) para reclamar do tratamento oferecido pela Rede Globo ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na sabatina da noite de quinta (25). Sem citar o nome do adversário, o governante afirma que a emissora “pegou mais leve” com o petista por ele representar a “esperança de dias melhores” para a empresa.

“Ninguém deveria estar surpreso. Na verdade, compreendo perfeitamente a Globo tratar melhor aqueles que estão dispostos a pagar mais. Eles são a esperança de dias melhores para a emissora. Nada mais coerente do que pegar mais leve. Estranho seria comigo, que fechei a torneira”, reclama Bolsonaro.

O candidato à reeleição, no entanto, não apresenta provas de que os governos petistas tenham oferecido maior volume de recursos à emissora. Além disso, Bolsonaro, também sem justificar, acusa a Globo de promover “perversidades como o aborto, as drogas, a ideologia de gênero” e a “destruição da família”.

“Apesar disso, sua liberdade foi preservada. Hoje a emissora pode até continuar promovendo perversidades como o aborto, as drogas, a ideologia de gênero, a inversão de valores e a destruição da família se assim desejar, só que não mais sustentada com rios de dinheiro público”, afirma o presidente da República, que continua fazendo críticas à imprensa.

“A garantia que a Globo e a imprensa de forma geral sempre terá comigo é de jamais defender o seu controle, como pretende o outro lado. Para quem ama e defende a liberdade, isso não tem preço. Mas hoje, infelizmente, muitos são capazes de entregá-la por algumas moedas de prata”, disse.

“Talvez se tivéssemos dado o que queriam, as boas notícias não seriam acompanhadas por um "mas" e sobrariam aplausos ao meu governo. Mas escolhemos investir no Brasil e não em elogios. Por isso o desemprego cai, a economia cresce, a violência diminui, mas a gritaria continua”, escreveu o chefe do Executivo.

Durante a entrevista de Lula ao programa desta quinta, Bolsonaro publicou uma foto ironizando a participação do adversário no Jornal Nacional publicando uma foto em que liga o ex-presidente ao crime organizado.

Na montagem, Bolsonaro assiste a uma suposta reportagem na televisão, onde aparece a frase 'Esse é o PCC', em referência à facção criminosa Primeiro Comando da Capital.

Lula no JN

Apesar da reclamação sobre o tratamento oferecido pelos âncoras William Bonner e Renata Vasconcellos, Bolsonaro, que foi entrevistado no programa na segunda (22) foi o mais assistido, até o momento, entre os candidatos. Com o atual governante, o telejornal teve média de 32,6 pontos no consolidado e pico de 35,6 as 21h06 daquele dia.

Já com a participação de Lula, a emissora teve média de 31,4 pontos de audiência na Grande São Paulo das 20h31 às 21h12. O pico atingido por Lula foi de 33,8 pontos.

Os dados foram divulgados pelo site TV Pop e confirmados pelo Poder 360.

Na internet, a sabatina de Lula teve mais repercussão que a de Bolsonaro. Um levantamento da empresa de pesquisa e consultoria Quaest aponta que 15 milhões de pessoas foram impactadas, na média, com postagens sobre a entrevista de Lula durante sua exibição.

Isso é mais que a soma dos outros dois candidatos já entrevistados: Bolsonaro teve uma média de 12 milhões e Ciro, de 2 milhões, conforme divulgou Felipe Nunes, diretor da Quaest e especialista em pesquisa de opinião e redes sociais. As informações são da BBC Brasil.

SABATINA DO JORNAL NACIONAL

O Jornal Nacional, da TV Globo, realiza tradicionalmente a sabatina de perguntas com os candidatos à Presidência da República mais bem colocados nas pesquisas eleitorais.

A condução dos questionamento é feita pelos apresentadores do Jornal Nacional: William Bonner e Renata Vasconcellos. As entrevistas ocorrem nos estúdios da Globo no Rio de Janeiro.

A sabatina pela qual os candidatos serão submetidos é considerada fundamental por estrategistas das campanhas, que veem uma boa possibilidade de conseguir "furar a bolha" e expor suas ideias no telejornal de maior audiência do país. As sabatinas do Jornal Nacional preveem 40 minutos de participação de cada candidato.

Veja como foi a sabatina de Jair Bolsonaro no Jornal Nacional

Veja como foi a sabatina de Ciro Gomes no Jornal Nacional

O primeiro presidenciável entrevistado foi o atual presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL). Bolsonaro abriu a série de entrevistas na segunda-feira (22). Ciro Gomes, do PDT, foi o entrevistado de terça (23). Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participa nesta quinta (25) e Simone Tebet (MDB) fechará a série, na sexta (26).

A seleção dos candidatos teve por base as cinco melhores colocações na pesquisa eleitoral divulgada pelo Datafolha em 28 de julho: Lula, Bolsonaro, Ciro, Tebet e André Janones (Avante). Janones, no entanto, decidiu retirar sua candidatura.

A ordem das entrevistas e as datas foram decididas em um sorteio realizado em 1º de agosto com representantes dos partidos.