Pilar de Bolsonaro, Paulo Guedes sofre terceira baixa em sua equipe em pouco mais de um mês

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Foto: REUTERS/Adriano Machado
Foto: REUTERS/Adriano Machado

Paulo Guedes, ministro da Economia, é um dos nomes mais importantes no governo de Jair Bolsonaro (sem partido). Recentemente, porém, a equipe de Guedes tem sofrido baixas em sequência. Caio Megale, Secretaria Especial de Fazenda, foi o último a pedir desligamento.

Apesar de ser o terceiro nome a deixar a equipe de Guedes nas últimas semanas, Megale afirmou que deixa o posto por questões pessoais e não por divergência com o ministro.

Leia também

"Foi uma decisão pessoal. Acho que completei meu ciclo no setor público, foram quase quatro anos", disse à coluna da jornalista Ana Flor no G1. Antes de integrar o Ministério da Economia, Megale era secretário da Fazenda do município de São Paulo.

Na ultima sexta-feira (24), o Banco do Brasil comunicou a saída de Rubem Novaes da presidência da instituição. Bolsonaro deve tratar do substituto do Novaes já nesta segunda-feira (27) em seus primeiros compromissos na volta ao trabalho presencial, depois de vencer a Covid-19.

Mansueto Almeida, então secretário do Tesouro, deixou o cargo há pouco mais de um mês.

Paulo Guedes vem sendo criticado pela resposta da equipe econômica durante a pandemia do novo coronavírus, que já vitimou mais de 87 mil pessoas no Brasil.

Para piorar, a crise sanitária paralisou a agenda de reformas e obrigou o país a aumentar seu endividamento, problema que deve ser enfrentando por Guedes nos próximos anos de gestão Bolsonaro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos