Bolsonaro autoriza Forças Armadas em presídio com líderes do PCC

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Brazil's President Jair Bolsonaro looks on as he leaves the Alvorada Palace in Brasilia, Brazil February 4, 2020. REUTERS/Adriano Machado
Reforço será enviado ao presídio federal em Brasília, e lá permanecerá pelos próximos 4 meses. (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

O presidente Jair Bolsonaro autorizou o uso das Forças Armadas para reforçar pelos próximos quatro meses a proteção externa do presídio federal em Brasília, local onde está preso a principal liderança da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), Marco Camacho, o Marcola.

O decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) com a permissão do emprego dos militares nas imediações da penitenciária foi publicado nesta sexta-feira no Diário Oficial com a assinatura de Bolsonaro e dos ministros da Defesa, Fernando Azevedo, da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno.

Leia também

A presença dos militares no local, segundo o decreto, será desta sexta até o dia 6 de maio e caberá ao ministro da Defesa a "alocação dos meios disponíveis e o raio de atuação para o emprego" deles. O texto não especifica quantos vão participar da iniciativa.

O decreto prevê que o emprego da Forças Armadas será realizado em articulação com as forças de segurança pública competentes e com o apoio de agentes penitenciários do Departamento Penitenciário Nacional do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

"A decisão atende a pedido do Ministério da Justiça e Segurança Pública e tem caráter preventivo, com o objetivo de se manter elevado nível de segurança do local onde estão isolados integrantes de organizações criminosas", afirmou nota conjunta divulgada nesta sexta pelas assessorias de comunicação social da Defesa e da Justiça.

"A ação dá continuidade a uma série de medidas preventivas que vêm sendo feitas de forma integrada pelos dois ministérios e que terão continuidade", completou.

Uma fonte com conhecimento direto do caso afirmou à Reuters, sob a condição do anonimato, que foi detectado recentemente movimentações de integrantes do PCC na capital do país com o intuito de libertar Marcola. Por isso, destacou, a decisão de empregar as Forças Armadas.

Marcola completará em março um ano no presídio federal em Brasília.

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), tem criticado a presença do líder do PCC na capital do país e questionado publicamente a atuação de Sergio Moro na área de segurança pública.

da Reuters