Governo Bolsonaro estuda dar cargo de R$ 15 mil mensais para Regina Duarte

·2 minuto de leitura
Foto: Andre Borges/NurPhoto via Getty Images
Foto: Andre Borges/NurPhoto via Getty Images

Fora da secretaria especial da Cultura no último dia 20, Regina Duarte continua recebendo normalmente o salário de mais de R$ 15 mil mensais. De acordo com o jornalista Ricardo Feltrin, do UOL, a atriz deve seguir sendo muito bem remunerada pelo governo de Jair Bolsonaro (sem partido).

Vale ressaltar que a exoneração da ex-global ainda não foi publicada no Diário Oficial da União. Ela aguarda para assumir um cargo de chefia na Cinemateca em São Paulo, porém encontra alguns obstáculos no caminho como o fato de que o posto sequer existe, portanto, precisa ser criado via decreto. Além disso, a atriz não possui experiência com restauração de filmes.

Leia também

Outro pedra no caminho da atriz é que o governo federal precisa renovar o contrato para a manutenção da Cinemateca, medida que precisa ser tomada até o próximo dia 8, de acordo com o jornalista do UOL.

Ao deixar o governo alegando “saudades da família", a atriz tentou ressaltar que saiu de forma pacífica do governo, sem atritos com Bolsonaro, ainda que a sua trajetória não demonstre isso. Regina Duarte teve dificuldades até em nomear pessoas de confiança para cargos na secretaria de Cultura.

De acordo com Feltrin, há um “plano B” para caso Regina Duarte não assuma a chefia da Cinemateca. Ela seria nomeada para algum cargo federal nível DAS (Direção e Assessoramento Superior) em São Paulo, no montante de também cerca de R$ 15 mil mensais.

Essa nomeação poderia acontecer nos quadros da própria secretaria de Turismo (à qual a secretaria de Cultura é subordinada).

A Cinemateca, que é um organismo federal sediado em São Paulo, tem cerca de 150 funcionários que estão sem receber desde abril. Diante da crise econômica gerada pela pandemia do novo coronavírus, pode ser que não haja verba e/ou interesse para que seu funcionamento continue.