Rodrigo Maia: Bolsonaro não cometeu crimes que justificam impeachment

Redação Notícias
·3 minuto de leitura
Foto: REUTERS/Adriano Machado
Foto: REUTERS/Adriano Machado

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou não ver motivos para levar adiante os pedidos de impeachment de Jair Bolsonaro (sem partido) que estão sobre sua mesa. A declaração foi dada na noite desta segunda-feira (03) no programa "Roda Viva", da TV Cultura.

Para Maia, Bolsonaro "cometeu erros" no combate à pandemia do novo coronavírus, minimizando a perda das quase cem mil vidas perdidas, mas nenhuma das ações do presidente justifica um impeachment.

Leia também

“Acho que o presidente errou ao minimizar o impacto da pandemia, a questão da perda de vidas, vamos chegar aí a cem mil vidas perdidas. Acho que ele criou um falso conflito", disse.

Questionado sobre por que não arquiva os pedidos de impeachment à sua mesa já que não pretende levá-los adiante, Maia disse que não pretende conturbar a crise sanitária.

"Nós estamos no meio de uma pandemia, e qualquer decisão agora leva um recurso ao plenário. Nós vamos ficar discutindo impeachment sem nenhuma motivação para isso. Eu não estou usando isso para ameaçar, não é do meu feitio. O presidente Bolsonaro sabe, que desses que estão colocados, eu não vejo nenhum tipo de crime atribuído ao presidente", declarou Rodrigo Maia.

O presidente da Câmara evitou bater em Bolsonaro, mas disse que o governo "perde oportunidades" de implementar a agenda econômica de reformas com a qual foi eleito em 2018.

"Acho que o presidente Bolsonaro está perdendo algumas oportunidades importantes em relação àquilo que me fizeram até votar nele no segundo turno. Mas o presidente não tinha também experiência", diz ele.

Com mandato previsto para se encerrar em fevereiro de 2021, Maia disse que não vai tentar uma reeleição no cargo, ao contrário do que pode acontecer com Davi Alcolumbre, presidente do Senado.

Ele voltou a apoiar o avanço do procurador-geral da República, Augusto Aras, sobre a operação Lava-Jato, a que se referiu como "operação política". Ele diz ser favorável ao compartilhamento de dados das forças-tarefas com a PGR.

Em relação à reforma tributária, Maia criticou mais uma vez a proposta de criação de um novo imposto semelhante à CPMF, que poderia resultar em aumento da carga tributária com impacto negativo na economia.

49 pedidos de impeachment

De acordo com levantamento da Agência Pública, ja são 49 pedidos de impeachment contra Bolsonaro enviados a Rodrigo Maia.

As motivações para basear os pedidos são amplas: condução “irresponsável” da pandemia do novo coronavírus, ameaças à democracia em falas autoritárias, quebra de decoro por diversos motivos, convocação para ato antidemocrático, defesa à ditadura militar, entre outros.

Pela condução errática de Bolsonaro durante a pandemia (Brasil é o segundo país com mais mortos e casos confirmados), um grupo de entidades sindicais brasileiras entrou, no último dia 20, com uma ação no TPI (Tribunal Penal Internacional), em Haia, na Holanda, contra o presidente por crime contra a humanidade.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

***Com informações do Extra