Bolsonaro visita Hospital das Clínicas e é criticado: 'Por que não veio na pandemia?'

Bolsonaro visita PMs baleados durante primeiro turno das eleições em SP - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Bolsonaro visita PMs baleados durante primeiro turno das eleições em SP - Foto: Reprodução/Redes Sociais

O presidente Jair Bolsonaro (PL) foi alvo de protesto nesta terça-feira (4), por parte de profissionais de saúde do Hospital das Clínicas, na capital paulista. O candidato à reeleição à presidência, foi até a instituição visitar policiais militares que estão internados após serem baleados durante a eleição.

Os militares foram feridos por criminosos em frente a um colégio eleitoral da Zona Sul de São Paulo, no domingo (2). O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou que o caso não teve motivação política.

Os profissionais ficaram sabendo da ida de Bolsonaro e organizaram na entrada da unidade hospitalar cartazes que lembram o descaso e as mortes da pandemia.

A comitiva presidencial chegou à unidade por volta das 21h30 desta terça-feira, mas entrou por outro acesso e não chegou a se encontrar com os manifestantes.

Os manifestantes começaram a se posicionar na entrada do hospital desde o início da tarde para protestar contra o presidente. Os profissionais criticam Bolsonaro por não ter feito visitas a pacientes com Covid-19 durante as piores fases da pandemia, nem valorizado a atuação dos trabalhadores da saúde no período.

Em alguns cartazes os protestantes citam a condução do governo na pandemia e gritos de ordem como: “Olha a covardia, por que não veio na pandemia?”, “Bolsonaro, pode esperar, a sua hora na cadeia vai chegar” e “Olê, olê, olê, olá, Lula, Lula”.

Por outro lado, presentes no mesmo local, estavam profissionais do HC que são apoiadores de Bolsonaro, que gritavam: “Mito! Mito!” e carregam bandeiras do Brasil.

PM’s baleados

Os agentes da Polícia Militar (PM) faziam a segurança na Escola Estadual Deputado Aurélio Campos, na Rua Olímpio de Oliveira Chalerge, em Cidade Dutra, quando o crime aconteceu durante votação do primeiro turno das eleições.

Câmera de segurança e testemunhas, registraram em imagens que mostram o momento que pessoas correm e se jogam no chão, em pânico, dentro do colégio. Nenhum eleitor ficou ferido.

Apesar de o crime ter sido cometido em frente a um colégio eleitoral durante as eleições, o TSE informou que o caso não teve motivação política.

Segundo nota divulgada nesta terça-feira pela Secretaria da Segurança Pública (SSP), o estado de saúde deles é estável. Na segunda-feira (3), o quadro de saúde deles era considerado grave.