Jair e Eduardo Bolsonaro se reúnem no palácio da Alvorada

BRASILIA, DF, BRASIL, 11-07-2019 - O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) fala com jornalistas sobre sua indicação por parte de seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, ao cargo de embaixador do Brasil nos Estados Unidos. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Bolsonaro e o filho Eduardo se reuniram, neste sábado, no Palácio da Alvorada

  • Encontro ocorre na mesma semana em que o pai anunciou a intenção de indicar o filho como embaixador nos EUA

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) se reuniu com o filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), na manhã deste sábado (13). Os dois se encontraram no Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República.

Nesta semana, o presidente afirmou que pretende indicar o filho para o cargo de embaixador do Brasil nos Estados Unidos.

Leia também

Eduardo chegou ao Alvorada por volta das 8h e deixou o palácio sem falar com a imprensa cerca de uma hora e meia depois. O pai permaneceu na residência. Nesta sexta-feira (12), ele extraiu um dente e, por recomendação médica, deve ficar em repouso e evitar falar por três dias.

A assessoria de imprensa da presidência da República informou que não tem detalhes do encontro entre o presidente e o deputado.

Na quinta (11), Jair Bolsonaro anunciou que decidiu indicar Eduardo para o posto em Washington. “Da minha parte, eu me decidi agora, mas não é fácil uma decisão como esta estando no lugar dele e renunciando ao mandato”, disse em entrevista a jornalistas.

O presidente afirmou que o filho fala inglês com fluência, tem boa relação com a família do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e “daria conta do recado perfeitamente”.

Na sexta, Eduardo Bolsonaro afirmou que recebeu o apoio do chanceler Ernesto Araújo para assumir a embaixada do Brasil em Washington após se reunir com o ministro das Relações Exteriores.

Ao responder sobre suas qualificações para assumir um dos mais importantes postos na diplomacia brasileira, o parlamentar disse que fez intercâmbio nos Estados Unidos e “fritou hambúrguer no frio do Maine”

O QUE DIZ A CGU

A CGU (Controladoria-Geral da União), órgão da administração pública que fiscaliza o governo, afirmou nesta sexta-feira (12) que a eventual indicação de Eduardo "não caracterizaria nepotismo".

"A eventual indicação de um filho do Presidente da República para atuar como embaixador do Brasil não caracteriza nepotismo, pois tanto o decreto nº 7.203, de 4 de junho de 2010, quanto a súmula vinculante nº 13 do STF (Supremo Tribunal Federal), que tratam do assunto, indicam vedações de nepotismo para ocupação de cargos por familiares do Presidente apenas quando se tratam de cargos estritamente administrativos (em comissão, função gratificada, cargos de direção e assessoramento) e não de cargos políticos", afirmou a CGU, em resposta a questionamento feito pela Folha.

Marco Aurélio Mello, ministro do STF que tem sido contrário à indicação de parentes de políticos para cargos de natureza política, disse ter a impressão de que é "péssima" a possível nomeação do filho do presidente. Para ele, o caso configuraria nepotismo.