Jairinho tem 'padrão de violência contra mulheres e crianças', diz defesa de mãe de Henry

·3 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, SP (FOLHAPRESS) - A defesa de Monique Medeiros, mãe do menino Henry Borel, morto no início de março, afirmou em nota divulgada neste sábado (17) que os relatos de violência contra outras mulheres e crianças cometidas pelo vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho são um padrão. De acordo com a nota assinada por três advogados da professora, presa sob suspeita de envolvimento morte do próprio filho, a diferença do caso Henry "foi a morte da criança". Monique, que compartilhava a defesa com o namorado, decidiu ter a própria representação, e os novos advogados pedem que ela preste novo depoimento sobre o caso. A nota foi divulgada após a Polícia Civil afirmar ter informações suficientes para encerrar as investigações. "Se várias pessoas foram ouvidas novamente, não tem sentido deixar de ouvir Monique. Logo ela que tanto tem a esclarecer. Não crê a defesa que exista algum motivo oculto para 'calar Monique' ou não se buscar a verdade por completo", afirmou a nota, assinada pelos advogados Thiago Minagé, Hugo Novais e Thaise Mattar Assad. Três mulheres já declararam à polícia que foram vítimas de agressão do vereador. Elas relatam que seus filhos também foram alvo de violência de Jairinho. A última a relatar o caso prestou depoimento nesta sexta-feira (16) após negar à imprensa ter sofrido abuso do suspeito. "A defesa observou, do estudo dos novos elementos do inquérito, que há repetição de um comportamento padrão de violência contra mulheres e crianças. Neste lamentável caso, a diferença foi a morte da criança", escreveram os advogados. Diretor do DGPC (Departamento-Geral de Polícia da Capital), o delegado Antenor Lopes afirmou nesta sexta-feira (16) que já há elementos suficientes para encerrar as investigações do caso Henry na Polícia Civil e encaminhar os resultados para o Ministério Público do Rio de Janeiro. Dr. Jairinho e Monique Medeiros estão presos temporariamente desde o dia 8 de abril. Eles são suspeitos de homicídio qualificado de Henry no dia 8 de março. No início da semana que vem, investigadores e peritos devem acertar os últimos detalhes do inquérito, e o delegado responsável pelo caso deverá apresentar o relatório final. "Nós julgamos ter provas muito contundentes, mais do que suficientes, para que o caso seja levado à Justiça", afirmou Lopes. A informação foi dada após o depoimento da assistente social Débora Saraiva, 34, ex-namorada do vereador Dr. Jairinho, na 16ª Delegacia de Polícia da capital, na Barra da Tijuca (zona oeste) Segundo o delegado, Débora voltou atrás no depoimento anterior e confirmou que ela e o filho, então com dois anos, sofreram agressões do parlamentar durante os seis anos em que se relacionaram. "Ela disse que foram tantas agressões que nem sequer conseguia lembrar a quantidade exata de vezes que apanhou do Dr. Jairinho", afirmou. "Tudo isso demonstra como foi importante o pedido de prisão temporária, porque as testemunhas vêm apresentando novas versões", disse Lopes. Jairinho ainda não constituiu oficialmente novo advogado. De acordo com o jornal O Globo, o defensor do vereador será o advogado Braz Sant'Anna, ex-defensor público. Procurado pela Folha, ele não retornou às mensagens enviadas.