Jamaica renova estados de emergência regionais devido à violência de gangues

Forças de segurança da Jamaica patrulham ruas da capital Kingston

Por Kate Chappell

KINGSTON (Reuters) - O primeiro-ministro jamaicano, Andrew Holness, renovou o estado de emergência em oito distritos nesta quarta-feira, para controlar uma ameaça contínua de crimes ligados à atividade de gangues no país caribenho.

Em 15 de novembro, Holness anunciou estados de emergência regionais, que permitem que as autoridades revistem prédios e prendam cidadãos sem mandados.

"Embora tenhamos tido um sucesso razoável em controlar o número de assassinatos que antecederam e durante a época do Natal, os níveis de ameaça para os conflitos de gangues em andamento... (permanecem) elevados e em escala extensa", disse Holness em entrevista coletiva.

O comissário de polícia Antony Anderson disse na mesma entrevista coletiva que a Jamaica registrou uma média de quase cinco assassinatos por dia em setembro.

Os estados de emergência anteriores, bem como a nova legislação sobre armas de fogo, fizeram com que o crime violento no país diminuísse, disse Anderson. Houve 1.463 assassinatos na Jamaica em 2021, com a atividade de gangues respondendo por 71% deles, segundo dados oficiais.

A Suprema Corte da Jamaica decidiu em junho que as autoridades violaram os direitos de um homem que disse ter sido preso arbitrariamente durante um estado de emergência pública e depois mantido detido por meses sem julgamento.

O país tem uma das maiores taxas de homicídios da região.

(Reportagem de Kate Chappell em Kingston)