'Jamais gritaria ou a trataria mal', diz Flávio Bolsonaro após relato de senadora

DANIEL CARVALHO
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 16.07.2019 - O senador Flavio Bolsonaro (PSL-RJ) durante cerimônia de posse do novo presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Gustavo Montezano. (Foto: Mateus Bonomi/Agif/Folhapress) O

O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) disse nesta sexta-feira (13) que jamais gritaria ou trataria mal a senadora Juíza Selma (PSL-MT), que disse à Folha de S.Paulo ter sido pressionada, inclusive com grito, pelo filho do presidente Jair Bolsonaro a retirar sua assinatura em apoio a uma CPI para investigar integrantes do Supremo Tribunal Federal.

"Jamais gritaria ou trataria mal a senadora Selma. Prefiro não comentar. Entendo o momento difícil que ela está passando", disse Flávio em mensagem encaminhada à reportagem por sua assessoria de imprensa.

Leia também

Selma é uma das signatárias do requerimento para criar a comissão batizada de CPI da Lava Toga e disse que foi procurada por Flávio e pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para recuar no apoio, o que inviabilizaria a comissão.

Ela disse que "o que eles argumentam é que uma CPI vai trazer instabilidade para o Brasil porque vai mexer com as instituições, com a integridade delas".

De acordo com a senadora, no último dia 21, Flávio ligou para ela e gritou ao telefone.

"Ele estava um pouco chateado. Alguém disse para ele que nós tínhamos assinado uma CPI que iria prejudicar ele e ele falou comigo meio chateado, num tom meio estranho. Eu me recuso a ouvir grito, então, desliguei o telefone", disse a senadora, que deve oficializar sua saída do PSL na próxima semana e ingressar no Podemos.

Ela também afirma que "gente do partido", que ela não quis identificar, condicionou a retirada da assinatura à tramitação do processo de cassação que existe contra a senadora no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

O Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso cassou o mandato de Selma, em abril deste ano, por caixa dois e abuso de poder econômico.

O TRE decidiu manter a cassação e, nesta semana, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, se manifestou favoravelmente à medida.

A PGR diz que a campanha da senadora deixou de contabilizar R$ 1,232 milhões e omitiu 72% dos gastos. Selma diz que está sendo acusada por algo que fez na pré-campanha.

"É gente do partido que veio com esta conversa 'olha, você tem que se aproximar do pessoal porque aí vão te ajudar'. Deste pessoal que está alvo de CPI", afirmou.

Ela considera que a manifestação de Dodge foi "o recado mais claro" de resposta à sua decisão de não retirar a assinatura. Ela sustenta a tese mesmo diante da ponderação de que, teoricamente, a procuradora-geral não teria motivos para ajudar Bolsonaro, já que ela foi preterida na escolha para a PGR.

"A não ser que este parecer já estivesse pronto bem antes, quando ainda havia alguma esperança e, depois, acabou indo por descuido de alguém. Já li também uma outra posição em que alguém diz que é vingança porque ela teria sido preterida, então ela resolveu perseguir os bolsonaristas", afirmou.

Na entrevista, Selma afirma que juízes de primeiro e segundo graus defendem a CPI e o impeachment de ministros do STF porque o Supremo os faz "passar vergonha alheia".

"Os juízes não aguentam mais ter esta mácula na profissão. As pessoas veem o Judiciário com maus olhos por causa da atitude de um, dois ou três no Supremo. Eles dão retrato para a população de que a magistratura não presta."

Ela negou que a criação da CPI seja um ataque ao STF e disse ter "certeza absoluta" de que não há riscos há democracia.

À Folha de S.Paulo a senadora disse ainda que continuará apoiando o governo de Jair Bolsonaro, mas que, em alguns assuntos, discorda do presidente.

"Não sou bolsominion. Aquilo que ele faz que eu concordo, vou apoiar. Aquilo que ele faz ou fala que eu não concordo, não vou apoiar", afirmou.

"Por exemplo, a questão de casamento gay. Fui juíza a vida inteira e você vê a dificuldade das pessoas quando elas não conseguem regularizar as situações de fato da vida. Um casal de mulheres que moram juntas, adquirem um patrimônio, uma delas morre e a que fica viva perde tudo porque, pela lei, vai para os pais daquela que morreu, se não tiver filhos ou vai para os filhos dela. Um absurdo", mencionou a senadora.

A senadora ficou conhecida e se refere a ela mesma como "Moro de saia", numa alusão ao ministro da Justiça e ex-juiz federal Sergio Moro. Ela diz se sentir honrada e negou que o ministro tenha se desgastado com os vazamentos de mensagens da Vaza Jato.

"Não vejo desgaste em Vaza Jato. Vejo uma prova ilícita que estão dando credibilidade a um ladrão em contraponto a palavra de um juiz", afirmou.

Ao responder sobre o esquema de candidaturas de laranjas investigado no PSL, Juíza Selma diz não ter tido conhecimento da prática em seu estado e se disse contra o estabelecimento de cotas para mulheres nas eleições, tema que voltou a ser discutido neste ano no Congresso.

"É muito bonito você dizer 'tem que ter cota para a mulher porque a mulher tem que participar da política'. Ela tem se ela quiser. Você obrigar a ter cota é você pedir para ter laranja. Até porque mulher não gosta de política. Não é uma tradição nossa ter mulheres na política. As pessoas dizem 'não, política é uma coisa muito suja para mulher, deixa homem'", afirmou.

E foi além: "Não acredito em cota para preto, para homossexual. As pessoas têm que ser tratadas iguais. Cota, ela que afasta em vez de integrar."

Indagada se o sistema de cotas não seria uma maneira de reparação a grupos que historicamente são preteridos, ela discordou.

"A maneira de estabelecer uma reparação é tratando igual, é dando escola boa para preto, para pobre, para tudo, para todo mundo", disse a senadora, que também fez críticas à existência do crime feminicídio.

"Quer ver uma coisa que acho que separa? Feminicídio. Toda mulher que morre é feminicídio. Não. Não pode ser. Por que tem ter um crime específico de feminicídio? É um homicídio como qualquer outro. Agora, matar mulher tem que ser diferente? Claro que a violência doméstica é grande. Mas por que não ataca a causa, então? Faz campanha educativa, pega esses machos e 'para de ser machista'", disse a senadora Juíza Selma.