Janet Yellen é confirmada como primeira secretária do Tesouro americano

·2 minuto de leitura
Janet Yellen será a primeira mulher a chefiar a secretaria do Tesouro dos Estados Unidos

Janet Yellen, ex-presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), foi confirmada nesta segunda-feira (25) pelo Senado como primeira mulher secretária do Tesouro.

Janet, 74, que também foi a primeira mulher a chefiar o Conselho de Assessores Econômicos da Casa Branca, terá um papel-chave na elaboração da política econômica do presidente democrata Joe Biden, em meio à pandemia de covid-19 que castiga os Estados Unidos.

"Enfrentamos grandes desafios como país neste momento. Para nos recuperarmos, devemos restaurar o sonho americano, uma sociedade em que cada pessoa possa desenvolver seu potencial e sonhar ainda mais alto para seus filhos", disse Janet no Twitter, após a notícia de sua nomeação em novembro. "Como secretária do Tesouro, trabalharei todos os dias para reconstruir este sonho para todos", prometeu na ocasião.

Essa economista renomada é o terceiro membro do gabinete de Biden aprovado pelo Senado, depois do secretário da Defesa, Lloyd Austin, primeiro negro a chefiar o Pentágono, e de Avril Haines, diretora nacional de Inteligência.

Janet Yellen foi escolhida para substituir Steven Mnuchin como rosto da política econômica de Biden. Seu papel será fundamental nas primeiras semanas do novo governo, uma vez que terá que negociar com o Congresso para obter a aprovação do pacote de resgate de 1,9 trilhão de dólares proposto por Biden para reativar a economia americana. Isso implicará convencer os congressistas de que um gasto maior é benéfico mesmo ante o nível crescente da dívida do país.

Biden enfatizou hoje a necessidade de uma aprovação urgente do pacote. "Não podemos nos permitir o luxo de não investir agora", declarou, destacando os riscos para o emprego e o crescimento. Quase 16 milhões de americanos vivem do seguro-desemprego.

O líder da minoria republicana no Senado, Mitch McConnell, que expressou sua reticência a aprovar grandes pacotes de ajuda, apoiou a indicação de Janet Yellen, apesar da oposição de mais de uma dúzia de membros do seu partido.

A nova secretária também terá um papel a desempenhar após as guerras comerciais de múltiplas frentes iniciadas pelo ex-presidente Donald Trump. Na relação mais polêmica, com Pequim, ela se comprometeu na semana passada a usar todas as ferramentas disponíveis para abordar "as práticas abusivas, injustas e ilegais da China", que, segundo disse, prejudicam a economia americana.

Janet Yellen dirigiu o Fed em 2014, designada pelo presidente Barack Obama, de quem Biden foi vice-presidente por oito anos. Em 2018, não foi reeleita por Trump. Antes, dirigiu o Conselho de Assessores Econômicos da Casa Branca de Bill Clinton, de 1997 a 1999.

hs-ad/rsr/mvv/lb