Janja é recebida com aplausos calorosos e relembra encontro com Milton Nascimento depois das eleições, no Altas Horas

A primeira-dama Janja esteve na plateia do programa Altas Horas, na Globo, que foi ao ar neste sábado e homenageava o cantor e compositor Milton Nascimento. Em um dado momento, Janja prestou uma homenagem para Milton, também conhecido como Bituca, e relembrou seu encontro com ele depois do segundo turno das eleições, no ano passado. O ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, também estava na plateia do programa e falou em outro momento.

Bela Gil recusa convite para integrar governo Lula e diz que será apenas colaboradora

Infiltração, janela quebrada, sofá rasgado: Janja abre o Alvorada pela primeira vez e expõe problemas pós-Bolsonaro

Ao ser anunciada pelo apresentador Serginho Grosmain, Janja foi recebida com aplausos calorosos da plateia. Antes de começar a falar, a primeira-dama agradeceu a recepção e afirmou que "o amor realmente está no ar", fazendo referência à fala anterior do apresentador a respeito disso.

— Eu tinha uma camiseta dessa do Milton quando era adolescente e usava muito, com muito orgulho. Quando era universitária, ia para um bar em Curitiba chamado Trem Azul [mesmo nome de uma canção de Milton] e é muita emoção. Eu e Milton nos encontramos logo depois dos segundo turno das eleições e não conseguia nem falar, só sabia chorar. Beijei sua mão e agradeci por você existir e por dar essa voz ao mundo. Obrigada, Milton. — disse Janja.

O ministro Silvio Almeida também declarou seu amor por Milton Nascimento.

— Milton, você é a dimensão mais 'bem acabada' de porque devemos acreditar no Brasil. Porque o Brasil, com todas as suas contradições e mazelas, nos deu o Milton Nascimento, esse artista que nos lembra e nos faz ver que o Brasil é um lugar de excelência, é um país que conseguiu produzir a síntese mais bonita do encontro do Brasil com a África e com a América Latina. Acredito que isso se personifica na sua voz, nas suas canções. Milton, estamos aqui para celebrar a vida de um dos maiores cantores do mundo. Obrigado por nos lembrar todos os dias de acreditar no Brasil. — disse Almeida.

Depois de cantar "Coração de Estudante", canção que foi um marco durante a ditadura militar, Milton disse:

— Viva a democracia.

A plateia aplaudiu bastante e foi conduzida por repetidos gritos de "viva" de Grosmain.