Janja cita Evita e Michelle Obama e promete na gestão Lula combater violência contra mulher e racismo

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A socióloga Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que enxergou machismo nas críticas que recebeu ao longo da campanha do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e que pretende ressignificar o papel de primeira-dama.

As declarações foram dadas em entrevista ao Fantástico, da TV Globo, exibida na noite deste domingo (13).

"Houve machismo, porque talvez a figura do Lula por si só se bastasse, e agora tem uma mulher do lado dele, não que complemente, mas que soma com ele em algumas coisas. Hoje acho importante olhar para ele e também estar me vendo, isso não acontecia antes. Hoje ele tem um complemento, uma soma, que sou eu. Sou uma pessoa que é propositiva, que não fica sentada, que vai e faz", afirmou a mulher de Lula.

Janja disse que não se incomodou com as críticas que recebeu, até mesmo de representantes da campanha, e afirmou que a opinião que importava para ela era a do marido. "Se era importante para ele eu estar fazendo algumas coisas e estar do lado dele. Eu trouxe para mim esse papel de cuidar dele, de preservá-lo."

Desde o casamento com o petista, em maio deste ano, Janja ganhou cada vez mais notoriedade dentro e fora do comitê eleitoral de Lula. Pessoas de seu entorno a descrevem como uma mulher com brilho próprio, de conteúdo, com personalidade forte e amorosa.

Como mostrou a Folha, no entanto, o protagonismo da socióloga trouxe elogios, mas também provocou incômodos entre aliados do petista.

Janja disse que não se incomodou com as críticas que recebeu e afirmou que a opinião que importava para ela era a do marido. "Se era importante para ele eu estar fazendo algumas coisas e estar do lado dele. Eu trouxe para mim esse papel de cuidar dele, de preservá-lo."

Ela também citou a preocupação com a segurança do presidente eleito e disse que também atuou nesse sentido para resguardar o marido. "A gente sabe todas as ameaças que ele sofre, isso era uma coisa que me deixava desesperada."

Ela também disse que a participação em articulações políticas não foi algo planejado, citando a ligação telefônica que fez para Simone Tebet (MDB), terceira colocada no primeiro turno, num primeiro momento de aproximação do petista com a senadora.

"As coisas acontecem muito no calor do que está acontecendo naquele momento. O telefonema da Simone, a gente estava em casa e falamos em ligar. Eu falei com a senadora e os dois conversaram. Não foi nada 'você vai ligar'. Não tenho nenhum papel de articulação política.", disse.

A socióloga também elogiou a participação de Simone no segundo turno, assim como da ex-ministra do meio ambiente Marina Silva (Rede), dizendo que a senadora desempenhou um papel "importantíssimo" e que ela trouxe "a importância da participação feminina".

"Tanto ela como a Marina. Marina tem um simbólico para o Brasil, as duas trilharam juntas esse segundo turno e foi muito importante."

Janja citou como exemplo de primeiras-damas Michelle Obama, dos Estados Unidos, e Eva Perón (Evita), da Argentina. E disse que, no governo Lula, terá como compromisso com a luta contra a violência contra as mulheres, a alimentação e o combate ao racismo.

Essa foi a primeira entrevista de Janja à imprensa. Como mostrou a coluna Mônica Bergamo, a socióloga chegou a cogitar conversar com a imprensa em determinados momentos, mas a orientação da campanha foi a de preservá-la para evitar polêmicas desnecessárias.