Janja dispensa título de primeira-dama e rebate críticas: "Vou continuar desse jeito"

Janja dispensa título de primeira-dama e rebate críticas:
Janja dispensa título de primeira-dama e rebate críticas: "Vou continuar desse jeito" (Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

A partir deste domingo (1º), Luís Inácio Lula da Silva assume o seu terceiro mandato como Presidente da República. Para o novo desafio, conta com o apoio da esposa, a socióloga Rosângela Silva, mais conhecida como Janja, que dispensa o título de primeira-dama para preservar a sua individualidade.

"Primeira-dama é o quê? Dama? É uma coisa tão patriarcal", declarou em entrevista à revista Vogue Brasil. "Já quebrei a cabeça tentando encontrar um substituto. Já me chamaram de primeira companheira, que também não gosto. Companheira é uma coisa muito do PT. Sou a Janja."

Na conversa, Janja também falou sobre as críticas que vem recebendo desde a eleição de Lula em outubro, por causa de sua presença ativa nas decisões do marido: "Se tem pessoas que acham que eu não estou no meu lugar, ok, não tem problema. Podem fazer críticas. O que precisa ter é diálogo e respeito com quem pensa diferente", afirmou. "Mas se você não me convenceu, vou continuar agindo do jeito que acredito."

Segundo a socióloga, ela tem o aval do marido para se posicionar acerca do novo governo petista: "Quem decide o que, como e com quem eu falo sou eu. Em segundo lugar vem a pessoa que poderia ser atingida por isso, que é meu marido. Ele me dá total liberdade. Sei muito bem quais são os meus limites", afirmou.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Destaque à moda brasileira

Interessada pela moda nacional, Janja pretende utilizar a visibilidade como primeira-dama para valorizar estilistas brasileiros como Helô Rocha, que foi responsável pelo vestido de casamento da socióloga .

Além de determinadas características estéticas, o modelo carregava a essência do Brasil nos bordados feitos no Seridó — em seguida, claro, o trabalho da estilista e a tradição e o empenho das bordadeiras que vivem no interior do Rio Grande do Norte, assim como as técnicas manuais em geral, viraram pauta.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Helô também assumiu a tarefa de desenhar o look para o pose de Lula, que está sendo mantido em segredo até o último momento: “Queria vestir algo que tivesse simbolismo para o Brasil, para os estilistas, para as cooperativas e e para as mulheres brasileiras”, adiantou.