Janja leva cachorrinha Resistência para passear em Brasília e ‘treinar as pernocas’ para posse presidencial

A futura primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, levou nesta quarta-feira sua cachorrinha Resistência para o Parque da Cidade, em Brasília, pela primeira vez. Em suas redes sociais, ela compartilhou o momento com a “nova moradora” da capital em vídeo, e disse estar “treinando as pernocas” do pet para o dia 1º de janeiro. Coordenadora da posse do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na transição, Janja planeja levar a cadela para a rampa do Palácio Planalto.

No passeio no parque, Resistência teve a companhia de sua “irmã”, segundo Janja: a cachorrinha Paris, também levada por ela e Lula a Brasília.

— Resistência no primeiro rolê no Parque da Cidade, nova moradora de Brasília. Difícil é controlar! Vamo lá, Resistência, treinar as pernocas para o dia 1º, junto com a maninha, Paris — disse Janja, no vídeo publicado em seu perfil no Instagram.

Resistência foi adotada por Janja durante o período em que Lula esteve preso em Curitiba. A presença da cachorrinha na posse é pensada como um gesto que simbolize a "resistência" do petista nos 580 dias que ficou encarcerado. Antes de ser levada para a casa pela futura primeira-dama, o animal vivia junto a militantes na "Vigília Lula Livre", acampamento montado em um terreno ao lado da sede da Polícia Federal na capital paranaense, onde Lula ficou detido.

A cachorrinha foi acolhida filhote e debaixo de chuva por Marquinho e Cabelo, metalúrgicos de São Bernardo do Campo, que faziam parte do acampamento em Curitiba. Lá, Resistência passou a vestir uma bandeira do PT, e se tornou quase que uma celebridade, posando para fotos com artistas e lideranças que passavam pelo local. Após ter problemas de saúde e precisar ser internada, a cadelinha foi levada para a casa de Janja, então namorada de Lula, e esperou meses até conhecer seu novo tutor em novembro de 2019, quando Lula foi solto.

Desde então, ela divide os carinhos do casal com Paris, uma outra cachorrinha sem raça definida adotada pelo casal. Janja teve ainda mais um cachorro, Thor, que morreu após 21 anos de convivência.