Janja revela desejo de ter sala no Palácio do Planalto e discute pedido durante a transição

A futura primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, cogita a possibilidade de ter uma sala no Palácio Planalto, como outras mulheres de presidentes. Ela disse que essa questão ainda está sendo discutida dentro da transição de governo. No primeiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva, dois assessores próximos ao presidente chegaram a ser desalojados para que Marisa Letícia, então primeira-dama, tivesse uma sala mais ampla.

Leia mais: Raio-x da bancada feminina do Congresso: violência política afetou 55% das deputadas e senadoras na campanha

Lauro Jardim: Lula, os ministérios e a recriação das 'secretarias especiais'

Na íntegra de sua entrevista ao Fantástico, veiculada no podcast do programa, Janja foi perguntada sobre o assunto e afirmou que “possivelmente terá uma sala” no Palácio do Planalto.

— Possivelmente eu queira ter uma sala até para ficar próxima dele (Lula) e para facilitar as coisas também — respondeu.

Janja ainda disse na entrevista ao Fantástico que não imagina uma rotina em que Lula saia para trabalhar e ela fique em casa.

— Isso vai ser difícil acontecer porque não é da minha personalidade. A gente vai estar junto. Vou estar do lado dele, boa parte do tempo, contribuindo no que eu puder contribuir. Obviamente, primeira-dama não tem uma função, mas eu posso ter algumas responsabilidades.

A mulher de Lula disse querer ressignificar o papel de primeira-dama.

A atual primeira-dama Michelle Bolsonaro tem uma sala no terceiro andar do Planalto, o mesmo onde fica o gabinete presidencial. No governo Michel Temer (MDB), um local no mesmo andar chegou a ser reservado para a mulher do então presidente, Marcela Temer, mas ela não chegou a ocupar efetivamente o espaço.

No primeiro governo Lula, a então primeira-dama Marisa Letícia tinha uma sala no palácio. Depois de sete meses de mandato do marido, ela mudou para um novo espaço a 50 metros do gabinete do marido.