Janja vibra com bateria da Imperatriz que faz ensaio técnico com bonés CPX

A primeira-dama Rosângela Lula da Silva, a Janja, elogiou a escola de samba Imperatriz Leopoldinense, cujos ritmistas usaram bonés com a sigla CPX, em homenagem ao Complexo do Alemão. O comentário foi feito em uma publicação do criador do Voz das Comunidades, René Silva, Janja desembarcou em Buenos Aires neste domingo ao lado de Lula para o primeiro compromisso internacional do presidente.

Ainda como candidato à Presidência da República, Lula usou um boné 'CPX' durante agenda naquele conjunto de favelas no feriado de 12 de outubro. Imagens do presidente com o acessório viralizaram nas redes sociais e foram usadas por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro para divulgar desinformação relacionando a sigla com a palavra 'cupincha', que significa parceiro e que, segundo eles, seria usada por integrantes de facções criminosas.

No início de janeiro, Janja já havia sido convidada pela escola a desfilar no carnaval deste ano. O convite surgiu após a youtuber Antonia Fontenelle criticar a roupa usada pela primeira-dama na posse do presidente da República, onde comparou o terninho — conjunto pantalona, colete e blazer — com a velha da escola de samba.

"Escola apática, nem fede, nem cheira. É a Imperatriz Leopoldinense. Nem é a velha guarda da Mangueira, da Mocidade ou da Grande Rio", disse.

Moradora do Complexo do Alemão, a rainha de bateria da Imperatriz leopoldinense, Maria Mariá, durante o ensaio técnico exibiu a coroa, banhada a ouro em formato de boné com a sigla CPX, que ganhou em sua coroação em dezembro passado. O acessório foi uma criação do carnavalesco da Imperatriz, Leandro Vieira.

O fundador do Voz das Comunidades, Rene Silva, que acompanhou o ex-presidente na visita ao Complexo, pediu ajuda para desmentir fake news relacionada ao boné de Lula.

O petista usou o boné, dado pela líder comunitária Camila Moradia, durante todo o tempo em que esteve no Alemão. Após uma reunião com lideranças de favelas na sede do jornal "Voz das Comunidades", ele circulou em carro aberto pela principal via do complexo de favelas por cerca de uma hora. Lula acenou para os moradores e parou o cortejo em vários momentos para pegar crianças no colo, agitar bandeiras de apoiadores e tirar fotos.