Janones admite ter usado ‘métodos bolsonaristas’ em discussão com Salles

Janones acredita que embate não prejudicará imagem da campanha de Lula. (NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)
Janones acredita que embate não prejudicará imagem da campanha de Lula. (NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)
  • Janones diz que recorreu a 'métodos bolsonaristas' em discussão com Salles;

  • Os dois brigaram na noite de ontem (28), durante o debate entre os presidenciáveis na Band;

  • O deputado também negou 'racha' com o PT e disse se orgulhar de defender a democracia.

O deputado federal André Janones (Avante-MG) disse à coluna de Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, que recorreu a ‘métodos bolsonaristas’ em discussão com o ex-ministro do meio ambiente, Ricardo Salles. Os dois se envolveram em uma briga, na noite deste domingo (28), nos bastidores do debate entre os candidatos à Presidência apresentado pela Band.

“Você não combate esse tipo de gente com o politicamente correto. A única maneira é utilizar os mesmos métodos que eles. É um efeito colateral negativo, mas que não tem como resolver", acrescentou, após dizer que “esse é o preço que teremos que pagar para salvar a democracia em nosso país, que eu estou disposto a fazer e estou extremamente orgulhoso desse papel".

A confusão aconteceu a menos de 25 minutos de debate. Enquanto gritavam um com o outro, Janones filmava a discussão e Salles apontava o dedo na cara do apoiador do ex-presidente Lula (PT). Eles tiveram de ser apartados por seguranças do local.

Para o deputado, o embate não prejudicará a imagem da campanha do candidato. Ele ainda desmentiu que o Partido dos Trabalhadores tenha interesse em afastá-lo. "Nunca houve afastamento ou qualquer tipo de ciúme ou de racha interno”, esclareceu.

Apesar da discussão acalorada, Janones afirmou que ficou “muito pesaroso em estar destilando ódio". O momento gerou tensão entre os presentes no lounge da Band, como Márcio França (PSB), candidato ao Senado por São Paulo, que admitiu ter ficado “zero clima” para acompanhar a sabatina entre os presidenciáveis.

Salles participou de papo descontraído momentos antes

Pouco antes da briga com Janones, o ex-ministro riu em conversa com apoiadores de Lula, como Márcio França, sua esposa Lúcia França, senadora e vice de Fernando Haddad, e Marco Aurélio de Carvalho, advogado e líder do grupo antilavajista Prerrogativas.

Conforme divulgado pelo portal Metrópoles, Carvalho comentou que não entendia o motivo de Salles e outros bolsonaristas criticarem tanto os signatários da Carta pela Democracia, elaborada por juristas e pela Faculdade de Direito da USP (FDUSP), dado que sempre recorrem a advogados progressistas quando precisam resolver alguma pendência com a Justiça.

Nisso, Salles riu e admitiu: “Todos os meus advogados são petistas”. Ele é representado por Roberto Podval, uma das lideranças do Prerrogativas e que foi advogado de Zé Dirceu, ex-ministro de Lula.

Pouco depois, França, que até então só escutava a conversa, lançou um velho bordão que fez Salles rir e encerrou o papo. “Quando cai um avião cheio de comunistas, não tem um deles que não grita por Deus”, brincou. Os dois se conhecem da época em que o ex-ministro era secretário no governo Alckmin em São Paulo.