Janones, Bolsonaro, Zambelli: Análise contra deputados é adiada novamente

Um dos deputados com representações em aberto, Eduardo Bolsonaro foi acusado de ter feito post
Um dos deputados com representações em aberto, Eduardo Bolsonaro foi acusado de ter feito post "preconceituoso e misógino". (Foto: REUTERS/ Henry Romero)
  • Conselho de Ética da Câmara adia análise de representações contra parlamentares;

  • Ações são contra Janones, Zambelli, Kicis, Eduardo Bolsonaro, Kim Kataguiri e outros;

  • Reunião ficou para a próxima semana.

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados adiou para a próxima semana a análise de representações contra os parlamentares Carla Zambelli (PL), Eduardo Bolsonaro (PL), Bia Kicis (PL), André Janones (Avante) e Kim Kataguiri (União Brasil). O dia e horário ainda serão definidos.

A apreciação dos pareceres estava marcada para às 14h desta terça-feira (6), mas por falta de quórum, o vice-presidente do Conselho, deputado Carlos Sampaio (PSDB), cancelou novamente a sessão. O encontro já havia sido adiado nos dias 22 e 29 de novembro pelo mesmo motivo.

Janones, Zambelli e Kicis são os que mais têm representações, com duas para cada um. Em seguida, aparece Bolsonaro e Kataguiri, com uma cada. Outros deputados, como Éder Mauro (PL), Glauber Braga (PSOL) e Wilson Santiago (Republicanos) também teriam representações analisadas na sessão de hoje.

Entenda o que há contra cada parlamentar

André Janones

É acusado pelo PP e PL de espalhar notícias falsas durante as eleições 2022 sobre Jair Bolsonaro (PL) nas redes sociais, em especial no Twitter e Facebook. O argumento do PP é que apoiadores do presidente foram punidos por fake news e “em uma das postagens de Janones no Twitter, ele afirma estar combatendo o bolsonarismo de igual para igual”.

Carla Zambelli

Ambas as ações são do PT. Na primeira, a acusação é de que a deputada espalhou desinformação durante a pandemia de Covid-19. A segunda é por ter ofendido o senador Humberto Costa (PT) ao chamá-lo de ‘vampirão’ nas redes sociais.

Bia Kicis

A primeira representação é do PT. Kicis é apontada como responsável por vazar CPF, celular e e-mail de médicos durante uma audiência pública do Ministério da Saúde que discutiu a vacinação de crianças.

A segunda é do PSOL. O partido acusa a parlamentar de quebra de decoro após defender o policial militar da Bahia, Wesley Soares. O PM foi morto por atiradores do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) depois de, em um suposto surto psicótico, atirar para o alto e contra os colegas.

"Soldado da PM da Bahia abatido por seus companheiros. Morreu porque se recusou a prender trabalhadores. Disse não às ordens ilegais do governador Rui Costa da Bahia. Esse soldado é um herói. Agora a PM da Bahia parou. Chega de cumprir ordem ilegal!”.

Eduardo Bolsonaro

A representação é de autoria do PSB, PT, PDT, PSOL e PCdoB. Os partidos alegam que o parlamentar foi “preconceituoso e misógino” ao afirmar, no Twitter, que uma sessão na Câmara dos Deputados parecia a “gaiola das loucas”, mas que era apenas “as pessoas portadoras de vagina sendo levadas a loucura pelas verdades ditas” pelo deputado Éder Mauro (PL).

Kim Kataguiri

A representação é do PP e pede que o parlamentar seja investigado após defender a existência de um partido nazista no Flow Podcast, em fevereiro de 2022.