Janones divulgou fake news envolvendo Bolsonaro e o piso salarial da enfermagem

André Janones em entrevista para o G1, em 11 de julho de 2022 (Foto: Internet / Reprodução)
André Janones em entrevista para o G1, em 11 de julho de 2022 (Foto: Internet / Reprodução)
  • No Twitter, o deputado federal André Janones (Avante) divulgou que o partido de Jair Bolsonaro estaria por trás do pedido de suspensão do piso salarial da enfermagem

  • A informação, contudo, é falsa. O pedido foi feito pela Confederação Nacional da Saúde, Hospitais, Estabelecimentos e Serviços, não pelo PL

  • Na publicação, o deputado sugeriu combater desinformação com mais desinformação

Na última quinta-feira, o deputado federal André Janones (Avante) publicou em sua conta oficial no Twitter que o partido do presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) estaria envolvido no pedido de suspensão do piso salarial da enfermagem.

"ATENÇÃO URGENTE: Partido de Bolsonaro estaria por trás do pedido pra suspender a lei que aprovamos no congresso, garantindo o piso salarial da enfermagem. Se for confirmado é grave, muito grave!", escreveu ele em um tuíte. Suas publicações já superam 60 mil interações.

O deputado federal abriu mão de sua candidatura ao Planalto para apoiar o candidato e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e vem chamando atenção nas redes sociais por sua postura combativa. Janones chegou a sugerir aos seus seguidores que espalhassem a desinformação:

Contudo, a mensagem divulgada pelo deputado, como ele mesmo sugeriu, é falsa. Ele justificou ainda a publicação ao afirmar que fake news se combate com fake news: "Mamadeira de piroca se combate com outra mamadeira de piroca! Printem isso e viralizem pelo zap! Vou fazer live também. Façam chegar em TODO o Brasil! Olho por olho, dente por dente!", ele tuitou em seguida.

Em 4 de agosto, o presidente Jair Bolsonaro sancionou o projeto de lei aprovado pelo Congresso que estabeleceu um piso salarial nacional para os profissionais da área de enfermagem. A assinatura do texto foi feita em uma cerimônia no Palácio do Planalto em Brasília.

Não há registros, no entanto, de interferências do partido de Bolsonaro, o PL, no pedido de suspensão do piso. O líder do governo na Câmara de Deputado Ricardo Barros (PP), inclusive afirmou em sua conta no Twitter que o governo Bolsonaro "defenderá através as AGU, advocacia-geral da união a lei aprovado pelo congresso e sancionada pelo presidente da república, que determinou o piso salarial para enfermeiros e auxiliares de enfermagem [sic]".

A suspensão se deu por meio de uma decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso, no último domingo (4), a pedido da CNSaúde (Confederação Nacional da Saúde, Hospitais, Estabelecimentos e Serviços). Na decisão, ele afirmou que nem o Congresso nem o Executivo cuidaram das providências que viabilizariam a execução da lei. Além disso, ele afirmou que no cenário atual o piso poderia causar reduções na oferta de leitos e demissões em massa.