Janot revela plano de matar Gilmar Mendes e depois se suicidar: "Ia ser assassinato mesmo"

Foto: EVARISTO SA/AFP/Getty Images

O ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deu uma declaração fortíssima ao jornal Estado de São Paulo nesta quinta-feira (26). Ele afirmou que o momento mais tenso da sua passagem pelo cargo foi quando chegou a ir armado para uma sessão do Supremo Tribunal Federal (STF) com a intenção de matar a tiros o ministro Gilmar Mendes.

"Não ia ser ameaça não. Ia ser assassinato mesmo. Ia matar ele [Gilmar] e depois me suicidar”, revelou Janot.

Leia também

De acordo com o ex-procurador-geral, a ideia veio logo após ele apresentar uma exceção de suspeição contra Gilmar. Segundo Janot, Gilmar difundiu “uma história mentirosa” sobre sua filha que teria o tirado do sério.

Em 2017, Janot pediu o impedimento de Gilmar na análise de um habeas corpus de Eike Batista, com o argumento de que a mulher do ministro, Guiomar Mendes, atuava em um escritório que advogada para o empresário.

No ofício que enviou ao STF para se defender, Gilmar afirmou que a filha de Janot, Letícia Ladeiro Monteiro de Barros, advogava para a empreiteira OAS em processo no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Janot disse que a história contada por Mendes era mentirosa. “Ele inventou uma história que a minha filha advogava na parte penal para uma empresa da Lava Jato. Minha filha nunca advogou na área penal...e aí eu saí do sério”, admitiu o ex-procurador-geral.

A história não acabou em tragédia por causa da “mão de Deus", segundo Janot. “Ele estava sozinho [quando Janot encontrou Gilmar no STF], mas foi a mão de Deus. Cheguei a entrar no Supremo [com a intenção de matar]. Eu vi, olhei, e aí veio uma ‘mão’ mesmo".

A relação entre o ex-procurador-geral da República e Gilmar Mendes já não era boa como o próprio Janot admite, mas hoje não há contato. “Eu sou um sujeito que não se incomoda de apanhar. Pode me bater à vontade. Eu tenho uma filha, se você for pai...”

Até o momento, Gilmar Mendes não se pronunciou sobre a fala de Rodrigo Janot.