Janssen enviou à Anvisa pedido de uso emergencial de vacina contra a Covid-19

RAQUEL LOPES
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Janssen enviou à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) nesta quarta-feira (24) pedido de autorização para uso emergencial da vacina contra a Covid-19. Agora, a agência reguladora terá sete dias para analisar os dados e decidir sobre a liberação. A vacina da Janssen já recebeu o selo de boas práticas na fabricação. A etapa é um dos requisitos para que fabricantes possam solicitar o uso emergencial ou o registro definitivo da vacina. O governo federal assinou contrato com a Janssen para adquirir 38 milhões de doses do imunizante no dia 19 de março. A vacina necessita somente de uma dose. O cronograma do Ministério da Saúde prevê 16,9 milhões de doses até fim de julho, e o restante até novembro. Desde o início do ano o até então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, prometia a compra de doses das vacinas da Janssen e da Pfizer, mas reclamado publicamente das negociações. Pressionado pelo atraso na vacinação e diante de cláusulas impostas pelos laboratórios, Pazuello decidiu pedir ajuda e compartilhar com o Palácio do Planalto a responsabilidade de comprar as vacinas. O governo federal decidiu fechar contrato após aprovação de um projeto de lei no Congresso que visava destravar a compra dos dois imunizantes. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sancionou o projeto de lei. O imunizante da Janssen foi aprovado no final de fevereiro pela FDA, agência reguladora de medicamentos e produtos alimentares dos Estados Unidos. A vacina também foi recomendada pela Agência (EMA) Europeia de Medicamentos no dia 11 de março. O órgão informou que o imunizante é seguro e eficaz para adultos a partir de 18 anos.