Japão pode desperdiçar milhões de doses de vacina da Pfizer por falta de seringa

O Globo
·2 minuto de leitura

RIO — Milhões de pessoas no Japão podem ficar sem vacina contra a Covid-19 porque o país comprou 144 milhões de doses da vacina Pfizer — o suficiente para 72 milhões de pessoas — mas não tem a sergina correta para a aplicação, segundo reportagem do jornal britânico 'The Guardian'.

As seringas padrão em uso no Japão não conseguem extrair a sexta dose de cada frasco fabricado pela farmacêutica norte-americana, segundo a ministra da Saúde, Norihisa Tamura.

Fatam seringas de baixo "espaço morto", ou seja, que têm êmbolos estreitos capazes de puxar qualquer sobra de vacina. Sem elas, os vacinadores japoneses terão que usar seringas padrão que extraem apenas cinco doses por frasco. Dessa forma, além do despedício, haveria vacina suficiente para 60 milhões de pessoas. O Japão tem, aproximadamente, 127 milhões de habitantes.

“As seringas usadas no Japão podem tirar apenas cinco doses. Usaremos todas as seringas que temos que podem tirar seis doses, mas, é claro, não será suficiente à medida que mais injeções forem administradas", disse Tamura, de acordo com a agência de notícias Kyod.

O governo japonês solicitou aos fabricantes de equipamentos médicos que aumentem a produção das seringas especializadas. Outros países que usam a vacina da Pfizer, como Estados Unidos e alguns da União Europeia, também relataram uma escassez desse tipo de material, o que significa que provavelmente haverá uma forte competição para garantir suprimentos adicionais rapidamente.

Segundo o 'Guardian', um funcionário do ministério da saúde japonês disse a uma agência de notícias local: “Quando o contrato foi feito, não tínhamos certeza de que um frasco poderia ser usado para seis doses. Não podemos negar que demoramos para confirmar isso”.

O Japão vai iniciar seu programa de vacinação contra a Covid-19 no dia 17 de fevereiro, alguns meses depois que várias nações desenvolvidas. Os primeiros a serem vacinados serão entre 10 mil e 20 mil profissionais de saúde da linha de frente, seguidos por outros 3,7 milhões de trabalhadores de saúde a partir de meados de março. A imunização de 36 milhões de pessoas com 65 anos ou mais só deve começar no início de abril.

A Pfizer enviou, neste sábado, pedido de registro definitivo de sua vacina contra a Covid-19 no Brasil à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Caso a agência dê o aval à empresa, o imunizante, que a farmacêutica desenvolve com a alemã BioNTech, poderá ser distribuído amplamente e comercializado no país.