Japão se despede de Shinzo Abe com orações, flores e homenagens

Veículo funerário transporta corpo de ex-primeiro-ministro do Japão Shinzo Abe em Tóquio

Por Elaine Lies

TÓQUIO (Reuters) - Com orações, flores e bandeiras envoltas em fitas pretas, o Japão se despediu nesta terça-feira de Shinzo Abe, uma figura polarizadora que dominou a política como o primeiro-ministro a ficar mais tempo no cargo, antes de ser morto a tiros em um comício de campanha na semana passada.

Multidões lotaram as calçadas com uma forte presença policial enquanto o carro funerário que transportava Abe, que morreu aos 67 anos, partiu de um templo no centro de Tóquio em uma procissão pela cidade.

Com quase uma dúzia de helicópteros circulando no alto, as pessoas se curvavam, com as mãos entrelaçadas em oração, enquanto o carro funerário passava em um cortejo transmitido ao vivo pela emissora NHK. Outros aplaudiam ou acenavam.

"Muito obrigado por seu trabalho em nosso país", um homem gritou repetidamente.

Centenas de pessoas entraram no templo onde o funeral de Abe foi realizado na segunda-feira à noite e na terça-feira de manhã, antes da cerimônia privada, para prestar seus respeitos. Seu assassinato na sexta-feira por um homem desempregado empunhando uma arma caseira chocou uma nação onde tanto o crime com armas quanto a violência política são extremamente raros.

O cortejo fúnebre passou pelo coração político da capital, Nagatacho, onde centenas de pessoas fizeram fila em frente ao prédio do Parlamento onde Abe entrou pela primeira vez como jovem parlamentar em 1993, após a morte de seu pai político.

O primeiro-ministro Fumio Kishida e um grupo de ministros esperavam em silêncio em frente ao gabinete do qual Abe, o primeiro-ministro mais jovem do Japão quando assumiu pela primeira vez, liderou o país por dois períodos, o mais longo de 2012 a 2020, quando renunciou devido a problemas de saúde.

Enquanto o carro funerário passava lentamente, Kishida inclinou a cabeça, com um cordão budista em torno de suas mãos entrelaçadas. A viúva de Abe, Akie, curvou-se para trás do banco da frente do carro funerário.

Desde o início da manhã, longas filas de pessoas vestidas de preto, misturadas com outras em roupas informais com mochilas, formavam-se do lado de fora do templo sob ar abafado do verão.

Keiko Noumi, uma professora de 58 anos, foi uma das muitas que foram oferecer orações e flores a uma grande fotografia de Abe montada dentro do terreno do templo mostrando-o com uma simples camisa branca, rindo.

"Havia uma sensação de segurança quando ele era o primeiro-ministro responsável pelo país", disse ela. "Eu realmente o apoiei, então isso é muito lamentável."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos