Japão vai pôr nove usinas nucleares para funcionar devido à crise energética

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, afirmou que pediu que nove reatores nucleares estejam em operação neste inverno (no Hemisfério Norte) para evitar a escassez de energia no Japão.

Marcelo Ninio: Da China ao Japão, uma visão do legado de Shinzo Abe

Veja também: EUA e Japão reafirmam parceria estratégica e declaram que enfrentarão juntos 'desafios' vindos da China

— Existem preocupações sobre uma falta de energia neste inverno — disse Kishida em entrevista coletiva na quinta-feira. — Temos de prevenir essa situação.

O Ministério da Economia, Comércio e Indústria fará o que puder para pressionar por nove reatores operando, que podem cobrir cerca de 10% do consumo de energia do Japão, disse Kishida. Isso está de acordo com os planos das concessionárias regionais, que pretendem ter mais reatores produzindo eletricidade quando o clima mais frio chegar.

O Japão tem lutado com o suprimento de eletricidade escasso devido ao clima extremo, a aposentadoria de usinas de energia mais antigas e atrasos na reinicialização de reatores nucleares que foram fechados após o desastre nuclear de Fukushima, em 2011. Também está cortando o uso de fontes de energia da Rússia após sua invasão da Ucrânia.

Marcelo Ninio: Japão revê pacifismo após Ucrânia

Enquanto o Japão já enfrenta uma crise de energia durante o resto do verão, espera-se que o fornecimento de eletricidade para o próximo inverno fique no limite.

Kishida vem aumentando a retórica em torno da energia nuclear, solicitando reinícios mais rápidos para instalações que foram aprovadas nas revisões de segurança. No entanto, o governo central do Japão tem pouca capacidade de realmente ordenar que uma usina retome as operações, uma vez que existe um processo regulatório rigoroso.

Guerra na Ucrânia: Conflito esfria relações entre Japão e Rússia e acende alerta em novo contexto de segurança global

Dez dos 33 reatores nucleares em operação do Japão foram reiniciados sob as regras de segurança pós-Fukushima, embora alguns estejam off-line para manutenção. Outras sete unidades foram liberadas pelo regulador nuclear do país para retomar as operações, mas ainda não foram reiniciadas devido a atualizações necessárias ou falta de suporte local.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos