Bolsonaro cita Japão para minimizar pandemia. Governadora de Tóquio reforça quarentena

Diego Iraheta
Governadora de Tóquio, Yuriko Koike, segura placa que traz em japonês a expressão

Tóquio está vivendo uma “crise de infecção explosiva” do coronavírus. É o que aponta a governadora da capital japonesa, Yuriko Koike, que segurou placa com os dizeres em japonês em entrevista coletiva nesta quarta-feira (25). A situação é grave, disse Koike, depois que 41 novos diagnósticos de covid-19 foram confirmados apenas em um dia.

No Japão, o coronavírus já infectou 1.271 pessoas e matou 44, de acordo com a emissora japonesa NHK. Tóquio se tornou o epicentro da epidemia no país, superando a ilha Hokkaido, que havia sido atingida com mais força nas semanas anteriores. As Olimpíadas de Tóquio foram adiadas para 2021, anunciou o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, na terça (24).

Devido a essa escalada da doença, Koike apelou aos moradores de Tóquio que fiquem em casa e saiam apenas em caso de necessidade. “Nós talvez não tenhamos outra opção além de reforçar medidas mais duras de isolamento — o chamado bloqueio — para prevenir a disseminação do vírus”, disse a governadora

Apesar do “comedimento” pedido por Koike à população, o presidente Jair Bolsonaro deu a entender em suas redes sociais que o Japão não tem isolamento e está enfrentando a crise do coronavírus com serviços e estabelecimentos em funcionamento normal.

Nesta quarta, ele repostou em sua conta oficial o vídeo de um brasileiro visitando Tóquio:

O turista ironiza “a cara de pânico” da população. “Aqui corre tudo normal. Comércio está funcionando, shopping, fábrica funcionando, meios de transporte, só as escolas estão paradas”, diz.

O visitante de São Paulo ratifica a convicção de Bolsonaro de que a covid-19 deveria ser tratada como “uma gripe normal”. “O governo [do Japão] se recusou a decretar estado de emergência, e a população está...

Continue a ler no HuffPost