Japoneses criam método de separação de espermatozóides que permite seleção de sexo

Equipe HuffPost

Se você tivesse a oportunidade de escolher o sexo do seu bebê, você escolheria?

Um grupo de cientistas japoneses desenvolveu uma técnica em que é possível separar os espermatozóides de camundongos portadores do cromossomo X daqueles que carregam o cromossomo Y.

Com a separação dos espermatozóides, o mundo está cada vez mais perto de controlar o processo de fecundação caso o objetivo seja gerar um filhote fêmea (XX) ou macho (XY).

O estudo, que foi publicado na revista acadêmica Public Library of Science na última terça-feira (13), marca um avanço inédito nos trabalhos sobre reprodução.

Segundo os pesquisadores, a repercussão desse experimento promete simplificar a seleção de sexo para aqueles casais que optam pela fertilização in vitro ou pela inseminação artificial. 

Anteriormente, separar os espermatozóides X e Y era considerado uma tarefa complexa. No entanto, o artigo escrito por Masayuki Shimada e seus colegas da Universidade de Hiroshima apresenta um tratamento químico que é simples e não afeta a qualidade dos espermatozóides. 

A técnica foi testada em camundongos, mas, de acordo com os pesquisadores, já pode ser aplicada em outros mamíferos. 

“Em uma fazenda de leite, o valor de uma vaca leiteira é muito maior do que o de um boi. No caso da produção de carne bovina, a velocidade de crescimento é muito maior nos machos após a castração do que nas fêmeas”, destacou Shimada em seu artigo.

No entanto, o pesquisador salientou que o uso do método em humanos envolve “questões éticas significativas”. Segundo ele, o estudo não se debruça sobre esse aspecto.  

Entenda melhor o procedimento

Embora já existam métodos que podem ser usados para classificar os espermatozóides, eles são baseados no tamanho dos cromossomos X e Y e costumam custar muito caro, já que dependem de grandes tecnologias.

Porém, o estudo mais recente é baseado nas diferenças das expressões genéticas de cada um dos espermatozóides....

Continue a ler no HuffPost