Japoneses elogiam nova era imperial, mas reclamam das férias prolongadas

Por Kyoko HASEGAWA
1 / 2
O imperador Akihito do Japão se dirige às pessoas evacuadas da região de Fukushima, em 8 de abril de 2011 em Kazo (Japão)

Os japoneses dão as boas-vindas à nova era com a abdicação do imperador, mas não veem com bons olhos os 10 dias consecutivos de férias que virão junto com essa novidade.

Por incrível que pareça, 45% dos japoneses se declaram "descontentes" com o fato de que a tradicional "Golden Week", uma série de dias festivos, se prolongue este ano de 27 de abril a 6 de maio. Só 35% estão "satisfeitos", segundo uma pesquisa do jornal Asahi.

"Confesso que com 10 dias de férias seguidos não sei muito bem o que fazer", declara Seishu Sato, de 31 anos, que trabalha com finanças em Tóquio. "Poderia viajar mas haverá muita procura em todos os lugares e será caro. Provavelmente vou acabar indo para a casa dos meus pais".

Os japoneses não têm o costume de tirar férias. Segundo o Ministério do Trabalho, de uma média de 18 dias concedidos aos empregados no ano passado, apenas nove foram usados.

Os que terão que trabalhar também estão preocupados. "Para os pais empregados no setor de serviços (restaurantes, por exemplo) é um quebra-cabeças. As creches, tudo está fechado", lamenta um internauta no Twitter.

Os bancos também fecharão. Os clientes são aconselhados a sacar dinheiro suficiente para o período, por medo de que as reservas dos caixas eletrônicos esgotem.

A maioria dos comércios permanecerá, por outro lado, aberta, uma boa notícia para a terceira economia mundial, embora se espere um impacto limitado.

Os operadores turísticos estão otimistas. "No ano passado, a maioria das nossas ofertas tiveram comprador", explica Hideki Wakamatsu, porta-voz da Nippon Travel Agency, que afirma ter muitos clientes na lista de espera.

- "Respeito" -

Se não fosse por estas férias extras, os japoneses acolheriam com total serenidade a abdicação do imperador e o começo de uma nova era chamada "Reiwa" (bela harmonia).

A imensa maioria tem "um sentimento positivo" ou "de respeito" em relação ao imperador, 22% expressam indiferença e quase ninguém hostilidade, segundo um estudo da rede de televisão pública NHK.

"Sua forma de abordar com proximidade, durante os últimos 30 anos, as pessoas idosas, com deficiência, isoladas, vítimas de catástrofes naturais, ou seja, os abandonados pelos políticos, suscitou empatia, respeito", afirma Takeshi Hara, professor de ciência política da Open University of Japan (OUJ).

O fato de que o imperador Akihito tenha se casado com Michiko, a primeira união por amor da história imperial, "reforçou sua imagem contemporânea", acrescentou.

Sua popularidade se deve também a sua "consciência da responsabilidade da geração do pós-guerra" sobre as atrocidades cometidas pelo Japão, acrescenta Hideto Tsuboi, do Centro de Pesquisas Internacionais de Estudos Japoneses com sede em Quioto.

Diferentemente de muitas monarquias constitucionais, no Japão não é permitido falar mal do imperador, um fenômeno qualificado de "tabu do crisântemo", como é chamada a monarquia japonesa.

- Ritos imperiais -

Embora a imprensa sensacionalista se atreva a remexer na vida privada da família imperial, "há uma pressão para não criticar a instituição imperial em público", afirma Hara, por medo de represálias de fanáticos de extrema direita.

Em 1961, um extremista entrou na casa do proprietário de uma editora que publicou um romance considerado crítico demais e esfaqueou sua governanta.

Em 1990, o prefeito de Nagasaki foi baleado após ter estimado que o imperador Hirohito, pai de Akihito, era em parte responsável pela Segunda Guerra Mundial.

O único elemento um pouco polêmico é o financiamento com fundos públicos de ritos puramente religiosos previstos para a entronização de Naruhito, como o Daijosai, em novembro.

Mais de 200 japoneses, entre eles cristãos e monges budistas, apresentaram diligências judiciais contra o governo por considerar que isto pode afetar o princípio de separação entre religião e Estado.

Receberam o apoio inesperado do príncipe Akishino, o filho caçula do imperador Akihito, que se tornará príncipe herdeiro em maio.

"Me pergunto se é correto financiar algo tão religioso com dinheiro público", declarou no fim de 2018, acrescentando que havia comunicado o chefe da agência da casa imperial. "Não me deu atenção", afirmou.