Jardins do Palácio do Catete reabrem após mais de um ano

·2 minuto de leitura

RIO — Os patinhos do lago do Palácio do Catete estão mais felizes. E as famílias moradoras do entorno também. Nada como uma boa companhia, não é mesmo? Após mais de um ano, os jardins do Museu da República foram reabertos na última terça-feira, Dia Internacional dos Museus. Para alegria de quem estava com saudades de tomar sol, meditar ou simplesmente passear por aquele gramado.

Assim que soube da reabertura, na quarta-feira, a estudante Larissa Rocha, que mora no Flamengo, aproveitou para levar os filhos Rafael, de 4 anos, e Levi, de 2, para entrar em contato com a natureza.

— Vinha quase todos os dias com os meninos. Estava sentindo muita falta de vê-los interagindo com os animais, brincando ao ar livre. Aqui é bem seguro, tranquilo. E o ambiente é familiar — destaca Larissa.

O engenheiro florestal Leonardo Hase, morador do Catete e praticamente “vizinho de porta” do Museu da República, também fez questão de levar a filha Clara, de 6 anos, para passear nos jardins do Palácio:

— Ela está tendo aulas on-line, ficava sentido de deixá-la presa em casa. Aqui, além de tomar sol, ela interage com o verde e com outras crianças.

Como o Museu da República é posto avançado de vacinação contra a Covid-19, a entrada dos jardins do Palácio está sendo feita exclusivamente pelo portão da Rua Silveira Martins. Neste período de adaptação, o horário de funcionamento é de terça a domingo, das 8h às 16h. O uso de máscara é obrigatório.

— Estávamos muito receosos de reabrir devido às aglomerações. Somos uma área federal, num espaço restrito, com controle. Temos responsabilidade direta sobre o que ocorre no museu — afirma Mario Chagas, diretor do local onde Getulio Vargas deixou “a vida para entrar na História”.

O parquinho segue fechado, para manutenção. Chagas busca uma parceria público-privada para reabri-lo até o fim do ano. Por enquanto, piqueniques e serestas estão suspensos.

— Queremos voltar a fazer exposições no jardim, ter eventos, música. Mas vamos voltar de modo gradual, com muito cuidado — diz o diretor.