Jato chinês chegou a 6 metros de aeronave militar dos EUA

WASHINGTON (Reuters) - Um avião militar chinês chegou a 6 metros de uma aeronave da Força Aérea dos Estados Unidos e a forçou a fazer manobras evasivas para evitar uma colisão no espaço aéreo internacional sobre o Mar da China Meridional na semana passada, informaram forças militares dos Estados Unidos nesta quinta-feira.

O episódio vem no momento em que os Estados Unidos alertam para uma tendência recente de comportamento cada vez mais perigoso de aeronaves militares chinesas.

O incidente, que envolveu um caça a jato J-11 da Marinha chinesa e uma aeronave RC-135 da Força Aérea dos EUA, ocorreu em 21 de dezembro, afirmaram os militares dos EUA em comunicado.

"A Força Conjunta Indo-Pacífico dos EUA é dedicada a uma região Indo-Pacífica livre e aberta e continuará a voar, navegar e operar no mar e no espaço aéreo internacional com o devido respeito pela segurança de todas as embarcações e aeronaves sob a lei internacional", acrescentou a declaração.

Numa reunião com seu colega chinês em novembro, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, levantou a necessidade de melhorar as comunicações de crise e observou o que chamou de comportamento perigoso dos aviões militares chineses.

O departamento de defesa da Austrália disse em junho que um caça chinês interceptou perigosamente um avião de vigilância militar australiano na região do Mar da China Meridional.

A Austrália disse que o jato chinês voou muito perto da aeronave da RAAF e liberou pequenos pedaços de alumínio que foram aspirados pelo motor da aeronave australiana.

(Reportagem de Idrees Ali e Doina Chiacu)