JBS doou R$ 3,6 milhões para integrantes de CPI criada para investigá-la

Lula Marques/AGPT

Criada para investigar contratos firmados pela JBS com instituições como o BNDES e também o acordo de delação premiada, a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da JBS abriga pelo menos 12 congressistas cujas campanhas de 2014 foram financiadas direta ou indiretamente pelo frigorífico.

Entre titulares e suplentes, a JBS doou mais de R$ 3,6 milhões para deputados e senadores de partidos governistas e de oposição. O levantamento foi feito pelo site Aos Fatos com base nas informações prestadas pelos próprios parlamentares ao Tribunal Superior Eleitoral.

Nele, foram levados em consideração os repasses feitos diretamente às campanhas dos congressistas e seus aliados, quanto aos direcionados aos comitês dos partidos.

Aliado de primeira hora do presidente Michel Temer, o deputado Carlos Marun (PMDB-RS), nomeado relator da CPMI, recebeu R$ 103 mil da JBS para sua campanha em 2014. Questionado pelo jornal “O Estado de S. Paulo”, ele negou qualquer constrangimento.

“A minha atuação vai ser em busca da verdade. Nós temos um plenário. Se houver atitude minha que possa ser contestada, o plenário está aí para fazê-lo”, afirmou Marun.

No total, a JBS, doou mais de R$ 106 milhões para candidatos a deputado, senador, governador e presidente da República em 2014.