Santos diz que Maduro ordenou saída de tropas venezuelanas da Colômbia

Bogotá, 23 mar (EFE).- O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, considerou como "inaceitável" que soldados venezuelanos tenham entrado no território do país pelo departamento de Arauca e disse que Nicolás Maduro ordenou a saída dos militares.

"Acabo de falar com o presidente Maduro. Manifestei a ele que, para a Colômbia, é totalmente inaceitável a situação que se produziu. Ele me garantiu que ordenou a retirada das tropas do território colombiano", afirmou o presidente.

As declarações foram feitas após a conclusão de uma reunião com os ministros da Defesa, Luis Carlos Villegas, e de Relações Exteriores, María Ángela Holguín, assim como com a cúpula militar e policial, para analisar denúncias de moradores e das autoridades regionais sobre a incursão de militares venezuelanos.

Segundo as denúncias, pelo menos 60 militares venezuelanos estabeleceram um acampamento em solo colombiano e hastearam uma bandeira. No entanto, uma fonte oficial disse à Agência Efe em Caracas que o território no qual o grupo, de 123 soldados, se instalou, pertence à Venezuela.

"O diretor de Soberania da Chancelaria colombiana, Ricardo Montenegro, chegou nesta manhã ao local e comprovou que a área onde estavam os militares venezuelanos era território colombiano", rebateu Santos.

O presidente disse que acertou com Maduro a manutenção do diálogo e das vias diplomáticas até que a situação seja normalizada. No entanto, revelou que deu instruções às Forças Armadas enviadas ao local que "permaneçam na área e continuem exercícios de plena soberania no terriório.

"Tão breve soube da situação de ontem, dei instruções aos ministros das Relações Exteriores e Defesa que se comunicassem com seus colegas venezuelanos, seguindo nosso costume de fazer prevalecer o diálogo e as vias diplomáticas para solucionar problemas", afirmou Santos.

"Depois dos contatos, decidimos enviar uma comissaõ de analistas de ambas as pastas para verificar de que lado da fronteira estão os militares venezuelanos. Foi quando se confirmou que essa tropa estava do lado colombiano do rio do Rio Arauca", completou.

Mais cedo, os congressistas colombianos de diferentes grupos políticos criticaram a presença de militares venezuelanos deste lado da fronteira e exigiram que o governo tomasse ações imediatas para defender a soberania nacional.

Os dois países compartilham uma fronteira terrestes de 2.219 quilômetros, e moradores dessas zonas limítrofes, principalmente dos departamentos colombianos de Arauca, Norte de Santander e La Guajira, denunciam com frequência violações do território por militares do país vizinho. EFE