Jeff Beck: entenda o que é a meningite bacteriana, causa da morte do guitarrista, e como preveni-la

Nesta quarta-feira, o guitarrista Jeff Beck, considerado um dos maiores da história, morreu aos 78 anos devido a um quadro de meningite bacteriana, segundo divulgou seu perfil no Twitter.

"Em nome de sua família, é com profunda tristeza que comunicamos a notícia do falecimento de Jeff Beck. Depois de contrair repentinamente meningite bacteriana, ele faleceu pacificamente ontem. Sua família pede privacidade enquanto processa essa tremenda perda”, diz a publicação.

'Depression room': Bagunça piora humor e pode ser sinal de crise na saúde mental; saiba como arrumar

Você conhece o 'pocketing'? Novo tipo de relacionamento que não inclui o parceiro na sua vida social

O que é a meningite bacteriana?

A meningite é uma infecção das meninges, membranas que envolvem o sistema nervoso, ou seja, o cérebro, o cerebelo e a medula espinhal. A doença é considerada grave e pode ser causada por bactérias, fungos, parasitas ou vírus.

Quando provocada pela ação do vírus, que é a maioria dos casos, o quadro é mais leve. Já a bacteriana é mais grave, muitas vezes letal. Porém suas principais causas podem ser prevenidas com vacinas que fazem parte do calendário da criança do Plano Nacional de Imunizações (PNI).

Há uma série de bactérias que podem causar meningite. Algumas mais conhecidas são a Neisseria meningitidis, cuja infecção ganha o nome de meningite meningocócica, e a Streptococcus pneumoniae, que provoca a meningite pneumocócica.

Preta Gil: Entenda o que é o adenocarcinoma no intestino diagnosticado na cantora

Além destas bactérias, outras conhecidas que podem provocar meningite são a Haemophilus influenzae; a Mycobacterium tuberculosis; a Streptococcus sp.; a Listeria monocytogenes; a Escherichia coli; a Treponema pallidum, entre outras.

Como a meningite bacteriana pode ser transmitida?

Essas bactérias podem ser transmitidas de uma pessoa para a outra por meio das vias respiratórias, por gotículas, secreções do nariz e da garganta e, algumas, também por meio dos alimentos. Além disso, não são apenas aqueles que estão doentes que podem transmitir os microrganismos, algumas pessoas podem não adoecer e, ainda assim, carregar e espalhar as bactérias.

Quais são os sintomas da meningite bacteriana?

Os sintomas da meningite são os mesmos para todos os tipos, como rigidez na nuca e dores de cabeça. Trata-se de um quadro clínico grave. Por isso, é muito importante que, caso o paciente procure imediatamente atendimento médico, que poderá determinar se ele está com a doença, qual o tipo de meningite e o tratamento adequado.

Mel no lugar do açúcar: Novo estudo indica benefícios adicionais da troca para a saúde

Entre os principais sintomas da meningite estão:

Febre;

Dor de cabeça;

Rigidez na nuca;

Náusea;

Vômito;

Falta de apetite;

Irritabilidade;

Sonolência;

Fotofobia (aumento da sensibilidade à luz).

Como é o tratamento da meningite bacteriana?

Devido à gravidade, o paciente é isolado para evitar a disseminação da bactéria e recebe, em âmbito hospitalar, doses altas de antibióticos para eliminar o microrganismo.

Cannabis entre idosos: Ida ao pronto-socorro por causa de maconha cresce 1.808% entre maiores de 65 anos nos EUA

Como prevenir a meningite bacteriana?

O calendário brasileiro de vacinação da criança conta hoje com vacinas que atuam na prevenção das principais causas da meningite bacteriana. São elas:

Vacina meningocócica C, que protege contra a doença meningocócica causada pelo sorogrupo C

Vacina pneumocócica 10-valente, que protege contra a bactéria Streptococcus pneumoniae, causadora da meningite pneumocócica

Vacina ACWY, que previne as meningites causadas pela bactéria meningococo dos tipos A, C, W e Y

Vacina pentavalente, que protege contra as doenças causadas pelo Haemophilus influenzae sorotipo B, que além da meningite incluem difteria, tétano, coqueluche e hepatite B

A proteção é considerada duradoura, ou seja, não demanda reforços ao longo da vida. Porém, casos específicos, como de imunossuprimidos, são avaliados individualmente.

Além dos imunizantes, a principal forma de evitar a meningite bacteriana é não entrar em contato com pessoas contaminadas.