Jesus critica agressão de dirigente a Gabigol: 'não tem capacidade de trabalhar em um clube como o Vasco'

Marcello Neves

Uma cena lamentável manchou o clássico entre Flamengo e Vasco, nesta quarta-feira: após o apito final, o gerente André Souza agrediu o atacante Gabigol com uma joelhada. Isso irritou ao técnico Jorge Jesus, que lamentou o ocorrido utilizando palavras fortes. Para ele, o mandatário cruz-maltino "não tem capacidade de trabalhar" no clube.

— A emoção do jogo, em mais nestes clássicos, acontecem. Quando acabou o jogo, os jogadores menos equilibrados causam essas situações. Quando dirigente, seja de que equipe for, agridem jogadores, é grave. Isso é grave, falta de respeito pelos jogadores do Flamengo, pelo Gabigol e pelo clube que ele está. É um clube de história. Não sei o nome dele e nem quero saber. Não tem capacidade para trabalhar em um clube da história do Vasco — declarou.

Apesar do empate ter sido frustrante para a equipe do Flamengo, Jorge Jesus classificou o jogo como um espetáculo em termos de emoção. Porém, o treinador ponderou ao citar a vantagem para o vice-líder Palmeiras faltando poucas rodadas para o término do Brasileiro.

— Para quem veio ao Maracanã assistir esse jogo, independentemente do clube que ama, saiu em termos de emoção e de espetáculo um excelente jogo. Para nós, o Flamengo, fomos a equipe que tivemos o resultado até o fim, foi amargo. Poderíamos ter somado mais dois, mas estamos a cinco jogos da final e temos pontos de vantagem para o segundo colocado, isso é preciso contabilizar.

Jesus também falou sobre a condição física do meia Arrascaeta, que se recuperou de uma torção no joelho e atuou no clássico contra o Vasco. A ideia era fazê-lo ganhar ritmo para a final da Libertadores, no dia 23 de novembro.

— O Arrascaeta vem de uma lesão, não tem jogado 100%. Hoje sabíamos que ele não tinha condições de jogar os 90 minutos, mas temos que olhar mais para frente, darmos um pouco de jogo — declarou.