Jesus diz que futuro no Flamengo não depende do Mundial e admite preferência por trabalhar na Espanha

Conexão Gávea-Europa;Jorge Jesus diz que Fla lhe abre portas para o Exterior e que levaria Gabigol, Bruno Henrique e Arrasca

O futuro de Jorge Jesus — que tem contrato com o Flamengo apenas até maio de 2020 — só deverá ser conhecido após o Mundial de Clubes, no fim do mês. Mas o português afirma que o resultado do torneio não influenciará sua decisão de permanecer ou não na Gávea.

— (Significaria) terminar a temporada com mais um título, tão importante como foi a Libertadores. Mas a minha decisão não vai ser tomada em função desse jogo. Até porque eu tenho contrato com o Flamengo até maio, apesar de haver alguma especulação em torno do meu futuro — disse o treinador em entrevista ao "Correio da Manhã".

Embora reforce que seu vínculo com o Flamengo se estende até maio, há uma cláusula que permite a Jorge Jesus deixar o Rubro-Negro ao fim deste ano sem que precise pagar multa. Nesse contexto, volta à tona o desejo do português de retornar à Europa e disputar a Liga dos Campeões.

Jesus reconhece que hoje apenas "6 ou 7 equipes" proporcionam a possibilidade de conquistar o principal torneio de clubes do Velho Continente. Na última temporada, os ingleses foram mais longe na Champions, com o título do Liverpool sobre o Tottenham. Mas trabalhar na Terra da Rainha não é a prioridade do português:

— Sou mais fã de dois campeonatos, que não são os preferidos da maioria das pessoas. Sou mais fã dos campeonatos espanhol e italiano do que do inglês. Todos querem treinar na Inglaterra, mas, se der, (minha) prioridade é a Espanha. Talvez também pela língua, porque estou muito habituado a falar com jogadores que falam espanhol. Por isso, seria mais fácil para mim. Mas não quero fazer previsões, até porque estou muito feliz no Flamengo.

Caso não realize o sonho de treinar na Espanha, Jesus considera retornar a Portugal, onde as portas "estarão sempre abertas". A hora de voltar para casa, porém, não está clara na cabeça do treinador rubro-negro:

— Seguramente, vou voltar ao Campeonato Português. Quando, não sei. Quando saí, estava seguro de que, passado um ano, ia regressar. Agora, não estou tão seguro, ponho mais obstáculos a essa hipótese. Mas não quer dizer que não possa acontecer. Tudo tem a ver com o que me podem oferecer a nível desportivo. Se for para lutar para ser campeão em Portugal, são três equipes (com chances). Se for para olhar para fora, só uma é que dá essa hipótese. Uma ou duas. E, mesmo assim, essas podem não dar.