João Fonseca, carioca de 16 anos, jogará chave principal do Rio Open

Há três anos, o então número 406 do ranking da ATP, Carlos Alcaraz, ainda com 16 anos, recebeu o convite para disputar a chave principal do Rio Open e alcançou sua primeira vitória como profissional. O palco continuou relevante para o espanhol, que aqui conquistou seu primeiro título de ATP 500, dois anos mais tarde, como parte da ascensão meteórica que culminou no título do US Open e na liderança do ranking mundial. Na edição deste ano, outro jovem muito promissor terá a oportunidade de trilhar caminho semelhante: o brasileiro João Fonseca.

Queixa: Andy Murray critica Aberto da Austrália depois de não poder ir ao banheiro pela segunda vez em jogo de quase seis horas

Com os mesmos 16 anos que Alcaraz tinha há três edições, João é o primeiro carioca a entrar na chave principal do Rio Open, que acontecerá entre 18 e 26 de janeiro no Jockey Club Brasileiro, na Gávea. Todos os ingressos já estão esgotados.

O convite é um passo na trajetória bem próxima que o tenista carioca tem com o torneio. João já assistiu a alguns dos principais nomes do circuito por aqui como espectador e, no ano passado, atuou como sparring.

— Esse wild card foi uma surpresa para mim. Estou muito feliz. Fui a todas as edições, vi Nadal, Ferrer, Alcaraz ganharem... No ano passado, treinei contra vários jogadores top 100 e, neste ano, terei a oportunidade de jogar contra eles — comemora João ao GLOBO. — Estou pronto para dar o meu melhor no torneio que sempre sonhei jogar.

O carioca tem mais nomes de peso nos quais se inspirar. O norueguês Casper Ruud e o canadense Felix Auger-Aliassime, ambos sólidos no top 10 mundial, já participaram do Rio Open como convidados da IMG.

João, que é hoje o melhor brasileiro do ranking da ITF, fez parte da equipe que em 2022 conquistou o inédito título da Copa Davis Junior para o Brasil. No fim do ano passado, tornou-se o primeiro tenista nascido em 2006 a ganhar uma partida em um torneio da categoria Challenger. E, agora, terá a chance de jogar, pela primeira vez na carreira, a chave principal de um ATP 500.

— O ano de 2022 foi muito importante para minha evolução, tudo aconteceu muito rápido. Sei que estou no caminho certo — diz João.

Nomes importantes confirmados

Este Rio Open também será marcante para outro brasileiro: Thomaz Bellucci, de 35 anos, anunciou na última semana que se aposentará do circuito após o torneio carioca. Principal nome do país no tênis masculino depois da era Guga, ele tem quatro títulos de ATP 250 no currículo e um número 21 no ranking como melhor marca da carreira. Foi vice do Rio Open em 2019, ao lado de Rogério Dutra Silva nas duplas masculinas.

— Gostaria de jogar o meu último torneio e me despedir do tênis perto das pessoas que fizeram parte dessa jornada, então agradeço ao Rio Open pela oportunidade de me despedir em casa — disse Bellucci.

Mantendo uma tradição dos últimos anos, o torneio terá a presença de alguns dos nomes mais relevantes do circuito. Estão confirmados, por ora, o britânico Cameron Norrie (número 14 do mundo), o italiano Lorenzo Musetti (23º), o argentino Diego Schwartzman (25º) e o austríaco Dominic Thiem (103º). Além, é claro, da grande estrela e atual campeão, Alcaraz.

Se o espanhol cruzar o caminho do carioca João Fonseca, será motivo de festa, como ele mesmo garante:

— Não tenho preferência de adversário, só quero chegar lá e dar o meu melhor. Mas seria muito legal jogar contra o Alcaraz.