Doria estuda ir à China para negociar liberação de insumos para Coronavac

·1 minuto de leitura
Foto: AP Photo/Andre Penner
Foto: AP Photo/Andre Penner

Diante do impasse sobre a falta de insumos para a fabricação da vacina contra a Covid-19, o governador João Doria (PSDB) pode ir pessoalmente à China para negociar a liberação dos IFAs (Ingrediente Farmacêutico Ativo). As informações são da Rádio Bandeirantes.

O Instituto Butantan já envasou 4,8 milhões de doses da Coronavac, mas, desde o domingo (17), as máquinas estão paradas aguardando mais insumos.

Leia também

O governo paulista espera receber insumos para a produção de mais 10 milhões de doses até o fim do mês. O laboratório Sinovac, que produz o imunizante em parceria com o Butantan, possui lotes prontos para a entrega, mas essa quantidade também aguarda aval das autoridades chinesas para realizar a exportação.

Com a Coronovac sendo a única vacina sendo distribuída e aplicada no país até o momento [o imunizante desenvolvido por Oxford/Astrazenca possui autorização, mas ainda não está em solo brasileiro], a vacinação contra a Covid-19 pode ser interrompida no país antes do fim do mês.

Nesta terça-feira (19), Dimas Comas, diretor do Instituto Butantan, cobrou o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) para que trabalha em prol da liberação dos insumos junto aos chineses.

Na manhã desta quarta-feira (20), Rodrigo Maia, presidente da Câmara, se reuniu com o embaixador da China no Brasil para tentar avançar na questão.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, tomou a iniciativa e vai se reunir nesta quarta-feira com o embaixador da China no Brasil para tentar resolver a questão.