Na tentativa de barrar negacionismo, Doria convida Lula e Dilma para tomarem vacina contra a Covid-19

·2 minuto de leitura
Foto: AP Photo/Andre Penner
Foto: AP Photo/Andre Penner

João Doria (PSDB), governador de São Paulo, convidou os ex-presidentes brasileiros para serem imunizados contra o novo coronavírus. O tucano anunciou o plano de imunizar a população paulista a partir de 25 de janeiro, apostando no aval da Anvisa à CoronaVac. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Entre os convidados, estão os petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, vistos como inimigos históricos políticos do tucano. O convite aos políticos seria para dar um exemplo favorável em favor da imunização em massa.

Leia também

De acordo com o jornal, Doria pediu para que o prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT), fizesse a ponte e comunicasse o convite aos ex-mandatários. Procurados pelo veículo, as assessorias de Lula e Dilma não confirmaram o convite até a publicação deste texto.

Além da dupla, Doria já havia convidado José Sarney (1985 a 1990), Fernando Henrique Cardoso (1995 a 2002) e Michel Temer (2016 a 2018). Fernando Collor de Mello também deve receber o convite nos próximos dias.

SP recebe mais dois milhões de doses

Dois milhões de doses da CoronaVac, vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac, pousaram na manhã desta sexta-feira (18) no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo.

A vacina, que vem causando atritos públicos entre o governador João Doria (PSDB) e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), precisa do aval da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para ser aplicada no país.

O imunizante está atualmente em fase 3 de testes. A expectativa é que os resultados definitivos de eficácia sejam divulgados na próxima semana.

Esse é o terceiro lote da CoronaVac que chega a São Paulo vindo da China, seja com doses prontas ou com insumos para a produção doméstica pelo Butantan. Já estão em solo brasileiro mais de 3 milhões de doses.

Ao lado de Dimas Covas (diretor do Butantan) e Jean Gorintcheyn (secretário estadual de Saúde), João Doria esteve no aeroporto acompanhando a chega dos imunizantes.