João Doria é vacinado contra a Covid-19 e zomba bolsonaristas: 'vacinado e de calça apertada'

·2 minuto de leitura
Governador recebeu a aplicação da 1ª dose da CoronaVac, vacina do Instituto Butantan contra a Covid-19. (Foto: Reprodução/Twitter)
Governador recebeu a aplicação da 1ª dose da CoronaVac, vacina do Instituto Butantan contra a Covid-19. (Foto: Reprodução/Twitter)

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid-19 nesta sexta-feira (7). Com 63 anos, o tucano entrou no grupo prioritário no estado e poderia ter tomado a vacina em 29 de abril, no entanto, Doria foi vacinado contra a gripe e teve de esperar duas semanas. 

Doria tomou a vacina no Centro de Saúde I “Doutor Victor Araújo Homem de Mello”, em Pinheiros, na Zona Oeste da capital paulista. O governador recebeu uma dose da CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac

Leia também

Quem aplicou o imunizante no tucano foi a enfermeira Mônica Calazans, a primeira brasileira a ser vacinada contra a Covid-19, em 17 de janeiro deste ano. A profissional de Saúde já recebeu a segunda dose da CoronaVac, em 12 de fevereiro.

Doria ainda zombou dos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro ao dizer, no vídeo publicado nas redes sociais, que tomou a vacina "de calça apertada".

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Confira o calendário de vacinação contra a covid:

  • 6 de maio: 60, 61 e 62 anos

  • 10 de maio: pessoas com Sindrome de Down, Imunossiprimidas pacientes transplantados, pacientes renais em terapia

  • 11 de maio: metroviários e ferroviários; gestantes e puérperas com comorbidades; pessoas com deficiência permanente entre 55 e 59 anos

  • 12 de maio: pessoas com comorbidades entre 55 e 59 anos

  • 18 de maio: motoristas e cobradores de ônibus

Quem é Mônica Calazans

Ela é mulher, negra e enfermeira do Hospital Emilio Ribas. Mônica é integrante do grupo de risco da covid-19, ela é obesa, hipertensa e diabética.

Mônica mora em Itaquera, na zona leste da capital paulista, e trabalha na UTI em dias alternados, em escalas de 12 horas. O setor tem 60 leitos exclusivos para pacientes de Covid-19.

A enfermeira trabalhou como auxiliar de enfermagem por 26 anos e decidiu fazer faculdade numa fase já madura, se formando aos 47 anos.