Joaquim Barbosa critica Bolsonaro e declara voto em Lula

Joaquim Barbosa critica Bolsonaro e declara voto em Lula. REUTERS/Ueslei Marcelino
Joaquim Barbosa critica Bolsonaro e declara voto em Lula. REUTERS/Ueslei Marcelino

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, declarou voto em Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para as eleições presidenciais deste ano. Em vídeo, ele criticou a gestão do atual presidente Jair Bolsonaro (PL). Barbosa foi relator do mensalão em 2006 e pediu prisão de aliados do Partido dos Trabalhadores.

"É preciso votar já em Lula no primeiro turno para encerrar essa eleição no próximo domingo", declarou o jurista. Barbosa recordou que, ainda em 2018, era contrário ao nome de Bolsonaro para governar o país.

"Em 2018, alertei os brasileiros de que Jair Bolsonaro seria uma péssima escolha para a presidência da República. Bolsonaro não é um homem sério, não serve para governar um país como o nosso. Não está a altura, não tem dignidade para ocupar um cargo dessa relevância", disse Barbosa.

"Nas grandes democracias, Bolsonaro é visto como um ser humano abjeto, desprezível, uma pessoa a ser evitada. Esse isolamento internacional é muito ruim para o nosso país. Nós perdemos muitas oportunidades com isso" explicou.

O ex-magistrado permaneceu no STF por 11 anos, e se aposentou em 2014, na gestão de Dilma Rousseff.

Qual a data das Eleições 2022?

O primeiro turno das eleições será realizado no dia 2 de outubro, um domingo. Já o segundo turno – caso necessário – será disputado no dia 30 de outubro, também um domingo.

Veja a ordem de escolha na urna eletrônica nas Eleições 2022

  1. Deputado federal (quatro dígitos)

  2. Deputado estadual (cinco dígitos)

  3. Senador (três dígitos)

  4. Governador (dois dígitos)

  5. Presidente da República (dois dígitos)

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

Pesquisas eleitorais, como saber em quais posso confiar?

Em meio a essa diversidade de levantamentos existentes no Brasil, muitos eleitores não sabem em quais resultados acreditar.

No primeiro dia do ano passou a ser obrigatório (leia a resolução clicando aqui)o registro junto à Justiça Eleitoral de qualquer pesquisa pública relacionada às eleições para presidente e governador. Porém, se uma pesquisa está registrada não necessariamente significa que ela será confiável, isso porque não há nenhum tipo de fiscalização prévia sobre a metodologia desses levantamentos.

Atualmente, a confiabilidade das pesquisas é garantida no Brasil por meio da transparência. São algumas das informações que devem ser cadastradas junto à Justiça Eleitoral, tornando as pesquisas passíveis de contestação, caso qualquer irregularidade seja encontrada posteriormente:

  • Nome do contratante

  • Valor cobrado pela pesquisa

  • Origem dos recursos investidos

  • Metodologia

  • Período de realização

  • Sistema de fiscalização da coleta de dados

  • Tipo de questionário aplicado

Para identificar os atributos que mais merecem atenção nas pesquisas eleitorais, a reportagem do Yahoo! Notícias conversou com alguns especialistas no assunto e separou uma lista com os pontos mais importantes, confira aqui.