Joelma pega Covid pela 5ª vez: até quantas infecções uma pessoa pode ter?

A cantora Joelma afirmou pelas redes sociais na última semana que testou positivo para a Covid-19 pela quinta vez. E um vídeo publicado no Instagram da artista, ela disse que diferente das outras vezes, estava bem e tranquila.

Mas até quantas vezes uma pessoa pode ser infectada pelo coronavírus? com o aumento de casos nos últimos dias e a nova cepa da Ômicron circulando pelo país será cada vez mais comum quadros de reinfecção pela doença. Mas não há um número ou limite especifico da quantidade.

— O que estamos aprendendo é que depende de uma série de fatores. Vulnerabilidade genética, estado de defesa imunológico, uso de máscaras em lugares fechados, estar com o ciclo de doses completo estão entre eles. Além disso, os aspectos biológicos da Ômicron também interferem — diz o geneticista Salmo Raskin, diretor do Laboratório Genetika, de Curitiba.

—O pior cenário dos pacientes hoje é aquele que se infectou com a cepa originária no começo da pandemia e agora se infectou com a Ômicron, porque o sistema imunológico vai produzir anticorpos relacionados à primeira infecção e não protegerá contra a nova cepa da Ômicron. Por isso é importante que o governo invista nas novas gerações de vacinas, nas bivalentes, porque elas protegem contra essas novas cepas que estão circulando pelo país — diz o geneticista.

Quanto mais infecções, pior

Um estudo publicado na revista científica Nature demonstrou que reinfecções por Covid-19 aumentam o risco de morte, hospitalização e desenvolvimento de sequelas em múltiplos sistemas de órgãos.

Entre as sequelas apontadas estão problemas pulmonares, cardiovasculares, gastrointestinais, renais, psicológicos e neurológicos, além de diabetes questões de saúde mental e desordens neurológicas. De acordo com os pesquisadores, "os riscos foram evidentes independentemente do estado vacinal".

O estudo comparou 443.588 pessoas com uma única infecção com 40.947 que tiveram reinfecções. Dos reinfectados, 37.997 tiveram duas infecções, 2.572 tiveram três infecções e 378 sofreram quatro ou mais infecções. Todos foram acompanhados durante seis meses depois da última infecção ou reinfecção.

Para aqueles que contrairam a doença apenas uma vez, a taxa de mortalidade é de 16,77 a cada 1.000 pessoas. Já para os reinfectados, a taxa saltou para 36,10 a cada 1.000 pessoas, ou seja, mais do que dobrou. No caso das hospitalizações, a taxa triplicou entre os reinfectados.

A chamada fase aguda, que compreende os 30 dias após a infeção, foi o período mais crítico, segundo o estudo.