Johnny Depp e Amber Heard: Sem veredito, júri retoma discussão nesta quarta (1º)

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
O caso Johnny Depp e Amber Heard continua sem desfecho e o júri deve retomar as discussões nesta quarta-feira (1º). (Foto AP/Steve Helber, Pool)
O caso Johnny Depp e Amber Heard continua sem desfecho e o júri deve retomar as discussões nesta quarta-feira (1º). (Foto AP/Steve Helber, Pool)

O caso Johnny Depp e Amber Heard continua sem desfecho e o júri deve retomar as discussões nesta quarta-feira (1º).

Os jurados deliberaram por horas na terça-feira (31), mas não chegaram a um veredito. A bancada é composta por sete pessoas. O caso está sendo julgado no Tribunal do Condado de Fairfax, no Estado norte-americano da Virgínia. As informações são da Reuters.

Júri interrompe deliberações para fazer pergunta

Os jurados do julgamento do processo por difamação movido por Johnny Depp, 58, contra a ex-mulher Amber Heard, 36, que acontece em um tribunal de Virgínia, nos Estados Unidos, interromperam as deliberações, nesta terça-feira (31), para fazer uma pergunta, segundo New York Post.

Os sete jurados ficaram confusos sobre uma das oito perguntas que precisam responder, que determina se Heard difamou seu ex-marido Depp quando escreveu um editorial para o jornal The Washington Post, em 2018, descrevendo-se como "uma figura pública que representa abuso doméstico".

A questão era se eles acham que a manchete do editorial - que dizia: "Eu me manifestei contra a violência sexual -e enfrentei a ira de nossa cultura"- é falsa.

A juíza Penney Azcarate disse que o júri queria saber se a pergunta estava relacionada apenas à manchete em si ou a todo o editorial. Ela falou que iria instruir os jurados para considerar a manchete e não o editorial como um todo. "A declaração é a manchete e não todo o editorial", disse a juíza.

Além da manchete, os jurados tiveram que considerar se duas frases no editorial de Heard difamavam Depp. Na primeira passagem do texto, a atriz escreveu que "dois anos atrás, tornei-me uma figura pública representando o abuso doméstico e senti toda a força da ira de nossa cultura".

No outro trecho, Heard escreveu: "Tive a rara vantagem de ver, em tempo real, como as instituições protegem homens acusados de abuso".

De acordo com o formulário de veredicto dado aos jurados, o júri deve considerar se a manchete e as passagens eram sobre Depp, se são falsas, se cada uma delas tem uma "implicação difamatória" e se Heard pretendia com isso difamar o ex-marido.

Os jurados também precisam avaliar se Heard agiu com "malícia real", o que requer "evidências claras e convincentes" de que ela sabia que o que estava escrevendo era falso ou que agiu com desrespeito imprudente pela verdade. As informações são da FolhaPress.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos