Johnny Massaro diz ter medo da Aids e vê doença como fantasma ao se revelar gay

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Protagonista de "Os Primeiros Soldados", longa dirigido por Rodrigo de Oliveira, o ator Johnny Massaro afirma que tinha medo da Aids e que via a doença como um fantasma até integrar o elenco do filme, que estreou na última quinta-feira nos cinemas.

"Era um fantasma, algo a se temer, de forma preconceituosa até. Então eu aprendi a lidar com isso, até porque a doença ainda está aí e já sabemos que afeta qualquer pessoa", disse.

No fim do ano passado, Massaro tornou público o namoro com um amigo de infância, decisão que foi fruto, segundo ele, também da preparação para o longa. "A gente está num momento em que é importante que a gente fale cada vez mais disso para vivermos com plenitude quem somos", afirma.

Massaro interpreta Suzano, um estudante de biologia que descobre ter contraído HIV no começo dos anos 1980, após uma temporada em Paris --ele não considera, no entanto, o enredo trazido pelo longa como uma tragédia. Várias cenas mostram seu torso despido e magro, para retratar a perda de peso sofrida pelos portadores do vírus naquela época.

"Os Primeiros Soldados" venceu o prêmio de melhor filme da seção Olhos Livres, da Mostra de Cinema de Tiradentes. Rodrigo de Oliveira, diretor do filme, criou o roteiro em paralelo a uma pesquisa sobre a maneira como a Aids foi registrada em jornais e documentos da década de 1980.

"Meu desejo era não fazer um filme sobre a Aids. A palavra só aparece no final e em meio a todo um contexto. O filme tenta reproduzir o que era o passado para aquela comunidade e o que ela projetava para o futuro."

Na trama, Suzano e seus dois amigos, Humberto e Rose --também infectados pelo HIV--, se isolam numa casa na mata. Embora os três tenham a Aids em comum, eles se reúnem também por afinidade, fator demonstrado em momentos de descontração, carinho e cuidado.