Johnson&Johnson faz pedido de uso emergencial de vacina e Anvisa quer analisar em sete dias

Renata Mariz
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — A Janssen, braço farmacêutico do grupo Johnson&Johnson, fez o pedido de uso emergencial da vacina que produz na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) . O órgão informou que "já iniciou a triagem dos documentos presentes no pedido".

A meta da agência é fazer a análise do uso emergencial em até sete dias úteis, descontando eventual tempo que o processo pode ficar pendente de informações, a serem apresentadas pelo laboratório.

"As primeiras 24 horas serão utilizadas para fazer uma triagem do processo e verificar se os documentos necessários estão disponíveis. Se houver informação importante faltando, a Anvisa pode solicitar as informações adicionais ao laboratório", explica a agência em nota.

A Anvisa esclareceu que o prazo de sete dias úteis previsto por lei para a análise não considera o tempo do processo em status de exigência técnica, que é quando o laboratório precisa responder questões técnicas feitas pela agência dentro do processo.

O comunicado afirma ainda que a análise do pedido de uso emergencial é feita por uma equipe multidisciplinar que envolve especialistas das áreas de registro, monitoramento e inspeção. "A equipe vem atuando de forma integrada, com as ações otimizadas e acompanhadas pela Comissão que envolve três diretorias da Agência".