Jornal 'The Guardian' repercute toque de recolher de facções criminosas no Rio

A confirmação de casos de coronavírus em comunidades do Rio levou facções criminosas a ordenarem toques de recolher para moradores. O fato, noticiado pelo EXTRA na terça-feira, gerou repercussão no site do jornal britânico "The Guardian" no dia seguinte, que destacou para ações do tráfico na Cidade de Deus, relembrando que foi o cenário do filme, de mesmo nome, dirigido por Fernando Meirelles em 2002.

"No final de semana passado, a comunidade de baixa renda - tornada famosa pelo sucesso de bilheteria de Fernando Meirelles em 2002 - se tornou a primeira área a registrar um caso de coronavírus", diz a reportagem. "E, em uma aparente tentativa de evitar novas infecções, os líderes da facção que controla a favela ordenaram que os moradores ficassem em casa".

Circula nas redes sociais um vídeo em que é possível escutar uma ordem determinada pelos criminosos, vinda de um alto-falante: "Qualquer pessoa encontrada brincando ou andando por aí será punida".

O jornal britânico ouviu um morador da Cidade Deus, que lhe explicou que os traficantes fazem isso "porque o governo está ausente", na percepção dele. "As autoridades estão cegas para nós", acrescentou.

O "Guardian" também destacou a reportagem do EXTRA, informando que membros de facções com megafones se deslocavam pela Cidade de Deus ordenando o toque de recolher a seus 40 mil moradores. "Estamos impondo um toque de recolher porque ninguém está levando a sério. É melhor ficar em casa e relaxar. A mensagem foi dada", diziam.

Foram ainda mencionadas no jornal britânico as imposições feitas por criminosos visando a evitar a disseminassão do coronavírus nas seguintes comunidades: Morro dos Prazeres, Rocinha, Santa Marta,Complexo da Maré, Pavão-Pavãozinho, Cantagalo e Vidigal.