Jornal Nacional: Sereno, Ciro Gomes apresenta projetos, mas fala para poucos

Ciro Gomes foi sabatinado no Jornal Nacional na noite de terça-feira (23) (Foto: Reprodução/TV Globo)
Ciro Gomes foi sabatinado no Jornal Nacional na noite de terça-feira (23) (Foto: Reprodução/TV Globo)

Na noite desta terça-feira (23), Ciro Gomes (PDT) foi o entrevistado do Jornal Nacional da TV Globo. Diferentemente de outros momentos, o candidato manteve a calma durante toda a sabatina, sem ataques diretos aos concorrentes que estão à frente nas pesquisas: Lula (PT) e Jair Bolsonaro (PL). O candidato chegou a dizer que poderia rever a forma como se refere aos concorrentes.

Apesar de ter feito críticas pontuais aos oponentes, Ciro Gomes não levantou a voz nem usou termos ofensivos. Por outro lado, citou a Venezuela para cutucar o PT, estratégia similar a dos bolsonaristas, e chamou o atual presidente de genocida.

Ao longo da entrevista, o pedetista apresentou propostas relacionada a temas como economia, educação, desmatamento e apresentou diversos números para basear as promessas de campanha. Ciro mostrou inclusive o livo que escreveu, onde aprofunda as propostas para o Brasil.

A seriedade da entrevista foi inegável, no entanto, Ciro Gomes falou para poucos. Em ritmo acelerado e com palavras difíceis, o candidato do PDT teve dificuldade de preder a atenção do eleitor. Até palavras em inglês foram usadas pelo pedetista no telejornal de maior audiência do país.

Ciro Gomes deu poucas explicações sobre uma das características mais marcantes da campanha que faz em 2022: o isolamento. Sem alianças e com uma vice do mesmo partido, o candidato negou que faria alianças com o Centrão e falou em governar por meio de plebicitos, usando o Reino Unido como exemplo.

Ao se dirigir aos eleitores, o candidato pediu uma chance e se colocou como uma opção aos que votam em Bolsonaro para evitar e volta de Lula e aos que votam no petista porque não querem a reeleição do atual presidente.

SABATINA DO JORNAL NACIONAL

O Jornal Nacional, da TV Globo, realiza tradicionalmente a sabatina de perguntas com os candidatos à Presidência da República mais bem colocados nas pesquisas eleitorais.

A condução dos questionamento é feita pelos apresentadores do Jornal Nacional: William Bonner e Renata Vasconcellos. As entrevistas ocorrem nos estúdios da Globo no Rio de Janeiro.

A sabatina pela qual os candidatos serão submetidos é considerada fundamental por estrategistas das campanhas, que veem uma boa possibilidade de conseguir "furar a bolha" e expor suas ideias no telejornal de maior audiência do país. As sabatinas do Jornal Nacional preveem 40 minutos de participação de cada candidato.

Veja como foi a sabatina de Jair Bolsonaro no Jornal Nacional

O primeiro presidenciável entrevistado foi o atual presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL). Bolsonaro abriu a série de entrevistas na segunda-feira (22). Ciro Gomes, do PDT, será o entrevistado de terça (23). Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participará na quinta (25) e Simone Tebet (MDB) fechará a série, na sexta (26).

A seleção dos candidatos teve por base as cinco melhores colocações na pesquisa eleitoral divulgada pelo Datafolha em 28 de julho: Lula, Bolsonaro, Ciro, Tebet e André Janones (Avante). Janones, no entanto, decidiu retirar sua candidatura.

A ordem das entrevistas e as datas foram decididas em um sorteio realizado em 1º de agosto com representantes dos partidos.