Jornalista Artur Xexéo, referência na cobertura cultural, morre aos 69 anos

·1 minuto de leitura
A causa da morte foi um linfoma (Foto: Reprodução)
A causa da morte foi um linfoma (Foto: Reprodução)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Morreu neste domingo, aos 69 anos, o jornalista Artur Xexéo, uma das referências da imprensa cultural brasileira. 

A causa da morte foi um linfoma, segundo o jornal O Globo, onde ele era colunista e exerceu, entre outras funções, a de editor do Segundo Caderno. 

Leia também:

Sua carreira no jornalismo começou no Jornal do Brasil, em 1975, e incluiu passagens pelas revistas Veja e IstoÉ. Há duas décadas estava no jornal O Globo. 

Xexéo construiu ainda uma carreira sólida como escritor e dramaturgo. Foi autor de biografias da apresentadora Hebe Camargo e da novelista Janete Clair, assim como da coletânea de crônicas "O Torcedor Acidental" e de "Liberdade de Expressão", em parceria com Carlos Heitor Cony e Herodoto Barbeiro. 

No teatro, assinou musicais como "Xanadu" e "Cartola - O Mundo é um Moinho", a tradução do americano "Love Story" e peças como "A Garota do Biquíni Vermelho" e "Nós Sempre Teremos Paris". 

Xexéo também era comentarista do canal GloboNews e participava tradicionalmente das transmissões do Oscar feitas na TV Globo. 

O jornalista deixa o marido, Paulo Severo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos