Jornalista Cristiana Lôbo morre aos 64 anos em São Paulo

·4 min de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A jornalista e colunista de política da GloboNews Cristiana Lôbo morreu nesta quinta-feira (11), em São Paulo, em decorrência de um quadro de saúde que envolvia tratamento contra um câncer e uma pneumonia contraída recentemente, informou a emissora.

Ela tinha 64 anos e estava internada no hospital Albert Einstein.

Cristiana se tratava havia alguns anos de mieloma múltiplo, que é um tipo de câncer que atinge uma célula da medula óssea chamada de plasmócito, responsável pela produção de anticorpos que combatem vírus e bactérias.

A jornalista iniciou a carreira em Goiás e, em Brasília, trabalhou nas coberturas de saúde e educação, mas foi na área política que teve seu maior destaque, inicialmente nos jornais O Globo e O Estado de S. Paulo.

Desde 1997 na GloboNews, o canal de notícias 24 horas do Grupo Globo, ela integrou o time de frente da emissora na apuração dos bastidores e na análise do mundo político, integrando a equipe de comentaristas do Jornal das Dez.

Ela também comandou por anos o programa de análise Fatos e Versões, em que conversava sobre temas de relevância da política e da economia com jornalistas convidados.

No Twitter, o ex-presidente Lula (PT) foi um dos políticos que falou sobre a morte da jornalista. "Meus sentimentos à família, amigos e amigas da jornalista Cristiana Lobo. Que Deus lhes dê forças neste momento tão triste".

A ex-presidente DIlma Rousseff (PT) também lamentou a morte da jornalista. "Dona de um sorriso cativante, e sempre de ótimo astral, mesmo em meio à aspereza do noticiário político que emana de Brasília, Cristiana Lôbo sempre foi uma interlocutora confiável e dotada de muito rigor técnico na apuração de notícias", afirmou a petista nas redes sociais.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse que Cristiana Lôbo era "uma das mentes mais brilhantes do jornalismo brasileiro. Afável no trato, digna na conduta e dedicadíssima na sua profissão. Minha solidariedade à família, amigos e colegas".

O ex-governador do Ceará e presidenciável Ciro Gomes (PDT) afirmou que o "jornalismo brasileiro perdeu uma grande profissional e eu uma amiga de muitos anos. Que Deus possa confortar a família de Cristiana Lôbo e seus colegas".

Em uma rede social, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que a jornalista era uma profissional com quem "todos nós gostávamos de conversar".

"Que ouvia, ouvia e ouvia. Mas falava, falava e falava. Analisava tudo em um único café. Antecedia os fatos, antecedia as crises. Via a notícia antes mesmo dela existir", escreveu. "Não quero hoje fazer uma nota formal. Apenas expressar todo meu respeito e admiração."

O ministro Paulo Guedes (Economia) lamentou a perda da jornalista em nota publicada pela pasta. "Além de gostar dela, eu apreciava o seu trabalho. Sua isenção, inteligência e perspicácia foram exemplos de bom jornalismo", afirmou.

A pasta afirma que a jornalista cobriu com competência e seriedade muitos temas do Ministério da Economia, "desempenhando com excelência o seu papel de levar informação e análise apurada para a sociedade brasileira".

O Banco Central emitiu nota afirmando que o presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto, manifesta profundo pesar com a morte da jornalista. "Profissional respeitada e de longa trajetória na imprensa brasileira, Cristiana Lôbo inspirou gerações ao informar seus leitores e telespectadores com seriedade e competência sobre a política e a economia do país."

O ex-prefeito de Salvador ACM Neto (DEM) postou que a jornalista "exerceu a profissão com maestria, força e responsabilidade", desempenhando papel "importante na cobertura da política de todo país, conquistando respeito e admiração de todos que acompanham seu trabalho."

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM) também foi às redes sociais afirmar que "os últimos dias têm sido muito difíceis, com perdas dolorosas" e que Cristiana Lôbo era "jornalista fantástica e uma pessoa muito gentil."

Além de políticos, vários jornalistas, muitos deles colegas e admiradores de Cristiana Lôbo, prestaram homenagens nas redes sociais.

"A Cristiana era amiga, carinhosa, generosa, abria as portas a todos os jovens jornalistas que chegavam a Brasília. Ensinava, pegava na mão, dava conselhos e nos divertia. Uma baita jornalista, referência para a profissão. Hoje é um dia muito triste. Ela fará muita falta", afirma Leandro Colon, diretor da sucursal de Brasília da Folha de S.Paulo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos